terça-feira, setembro 22

A Era da Estupidez?

O SC antecipa a estreia de “A Era da Estupidez”, trazido para Portugal pela Quercus e que segue a linha de “Uma Verdade Inconveniente”, de Al Gore. O documentário do realizador Franny Armstrong pretende alertar para as alterações climáticas mostrando uma visão do mundo em 2055.
Nas últimas décadas, muitos países enveredaram pela luta às alterações climáticas – a própria UE tem tornado esta luta uma das suas principais prioridades.
Mas muitos cientistas classificam de alarmistas as mensagens proferidas pelos eco-investigadores. Alguns chegam mesmo a afirmar que estes comportamentos querem apenas impedir o progresso científico e industrial.
Em que ficamos? A actividade humana é ou não responsável pelo aquecimento global?

Convidados:
Francisco Ferreira, Vice-presidente da Quercus
Filipe Duarte Santos, Professor de Física Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
Rui Moura, Engenheiro Electrotécnico
José Delgado Domingos, Professor catedrático jubilado do IST e Presidente do Conselho de Administração da Lisboa E-Nova, Agência Municipal de Energia e Ambiente

21 comentários:

Luís Henriques disse...

Bom dia,
Cada vez estamos a ficar mais estúpidos intelectualmente, e, quando isso acontece, tudo o que de bom existe à nossa volta começa gradualmente a ser destruído. Nasci e cresci na Ilha das Flores (Açores), que recentemente foi considerada reserva da biosfera. Contudo, cada vez mais existem atentados ao património natural da ilha "em prol do progresso" alguns dizem. Como é que é possível deter esta "máquina" destruidora quando em muitos casos é ela própria dirigida pelo governo?

GFk disse...

Sem duvida que somos responsaveis por tudo o que de mau se faz no que ao Ambiente diz respeito.
Falicito os convidados do programa de hoje principalemte francisco Ferreira pelo contributo que tem dado ao tentar passar a mensagem nomeadamente nos seus programas "minuto verde" e "um minuto pela terra", "minuto verde" que tive o prazer de o conhecer pessoalmente em minha casa onde foi gravado um dos programas sobre radioamadorismo.
bem haja

Antonio Guerreiro

Rodrigo disse...

Vejam este link onde se fala de uma inovação que pode revolucionar a forma de conduzir e estacionar automóveis.

http://detudoblogue.blogspot.com/2009/09/solar-panel-roads-estradas-de-paineis.html

"Estradas de painéis solares poderão ser a maior fonte de energia, num plano financiado pelo governo para construir estradas com esses painéis, que poderiam, inclusive, ter luzes para fazer a sinalização do solo.
Solar Roadways
Estradas asfaltadas e estacionamentos seriam removidos e substituídos por painéis solares de vidro, capazes de gerar energia suficiente para abastecer as comunidades locais."

Samuel Reis disse...

Penso que através de dados estatísticos desde do século XVIII em que foi criada a máquina de vapor a carvão que a temperatura média global que tem subido gradualmente. Neste último século, houve um maior aquecimento global devido a uma maior exploração e utilização dos recursos naturais, principalmente de combustíveis fósseis que liberta bastante CO2 e uma maior criação de explorações de gado que emitem bastante gases, neste caso, metano que é um dos grandes causadores do efeito de estufa, pois este gás é 21vezes mais agressivo em termos de aquecimento global do que o CO2.
Cumprimentos para todos.

morg@s disse...

Eu creio que o grande equivoco neste debate de hoje é que estamos a confundir temperaturas médias com extremos. Eu diria que talvez o gases com efeitos de estufa poderão estar responsáveis pelos extremos mas não pelo aumento global, que pessoalmente também duvido.
Aliás, gostava de perguntar à mesa qual a opinião dos intervenientes, sobre as teorias "conspiracionistas", de que este tema (aquecimento global do planeta) é encarado como uma manobra de manipulação de massas, pela via do medo, pelos media e classe política?

Cumprimentos.

Ricardo Reis disse...

A escolha do ano 1998 é o que, em inglês, se designa por cherry picking. 1998 foi um ano recorde em termos de temperaturas registadas e é frequentemente invocado pelos cépticos do aquecimento global. De acordo com a NASA, este recorde deve-se ao mais forte El Niño do século. Este argumento é muito bem rebatido em http://www.grist.org/article/global-warming-stopped-in-1998/

Graza disse...

Estes senhores não estão nada a confundir-nos, como foi dito. Quem quer vê quem não quer não vê, o que menos importa ao tema é o share de audiências. Um programa como estes com estes convidados deveria estar toda a tarde em emissão. Estamos fartos da falta de tempo para debater as questões importantes

Pedalófilo disse...

Hoje vejo a "Ciência" a querer ocupar o lugar da religião.
O tipo de debate que está a acontecr é puramente na base do Dogma, ... "eu é que sirvo o Senhor, tu és um herege"

Isto assim só 1 das 2: ou afasta o comum cidadão ou o torna num fanático seguidor dumas das facções.

:(

antónio disse...

não estou a perceber:
mas o que esses senhores pretendem é que se continue com este comportamento irresponsável de destruição do ambiente??
acho muito bem que os nossos pontas de lança ambientais exagerem, a ver se nos alertam o suficiente para mudarmos os comportamentos enquanto é tempo. se AINDA formos a tempo. Assim talvez consigamos compensar sermos regidos por políticos patrocinados pelos poluidores crónicos

Cuidamos do seu filho disse...

Se não há aquecimento global como justificam o derretimento do gelo cada vez mais acelerado nos polos e nos glaciares? Expliquem-me como é que toda essa àgua não vai parar aos oceanos alterando as temperaturas e provocando ventos diferentes... ou seja, alterando o clima.
Será que a Era da Estupidez vai finalmente terminar quando dermos atenção ao dtado "casa roubada, trancas à porta"? Preferia que não passassemos pelo "roubo"!
Não concordo que quem defende que o planeta está em perigo queira travar a ciência; pelo contrário, há que conjugar a necessidade de um planeta mais saudável com os avanços tecnológicos criando formas de gerar energias e produtos mais ecológicos.
Até logo a todos os que vão particiar no wake up call!
Parabéns pelo programa!

left-handed disse...

Boa tarde,

a teoria do aquecimento global baseia-se em grande parte na evolução da temperatura média global. Tenho dúvidas acerca do modo como esse valor é calculado. Sugiro, então, uma questão mais técnica aos dois lados do debate: sendo a temperatura uma propriedade intensiva de um sistema termodinâmcio (não tem portanto propriedade aditiva), como é que se calcula a temperatura global baseada em medições de termómetros? Qual o significado físico da soma de temperaturas de locais distintos quando se determina a média?

Não quero entrar numa discussão técnica, mas a média é ponderada pela densidade do ar, a qual varia com a temperatura? A verdadeira média resulta da variação da entropia da atmosfera terra e do calor trocado com o exterior.

Cumprimentos
Paulo

Ricardo Reis disse...

Fernanda, já um dos seus convidados sugeriu alguns livros de cépticos do aquecimento global, eu sugiro aos telespectadores e ao seus convidados a leitura do seguinte artigo, destinado a responder aos argumentos mais frequentemente apresentados pelos "climate skeptics": http://www.grist.org/article/series/skeptics/

Acho que os cientistas aí presentes estão a tentar mostrar que dados científicos actualmente disponíveis apontam inequivocamente para que não haja uma ligação entre as actividades humanas e o aquecimento global, o que é totalmente falso.

Samuel Reis disse...

Pergunte por favor ao Senhor Rui Moura: Se queimassemos as florestas de todo o mundo se não iria mudar o clima?
Cumprimentos

Paulo disse...

Vejam o exemplo Vénus, um planeta +- do mesmo tamanho da terra.
Composição atmosferica 96% CO2, 3% Azoto, + restantes gases.
Temperatura média 482 ºC, e não tem a ver com o facto de estar + proximo do sol... extrapolem para a terra o facto de ir aumentado o CO2...

Vtrr disse...

gostava que pergunta-se ai no programa qual o objectivo da utilização das estufas na agricultura?

"será que a resposta responde a algumas questões!"

Luis Filipe Miguel disse...

Então o Homem não tem influência no clima? E a acumulação de cada vez mais gases, envolvidos no efeito de estufa, na atmosfera, não modifica o clima? Não é responsável por elevar a temperatura global?

Luís Filipe Miguel, Almeirim

Sérgio Dinis disse...

Liguei a Tv à pouco tempo e ouvi um senhor a dizer que as a poluição não tem nada que ver com o clima. Gostaria de lhe perguntar se está a negar as influencias que o dioxido de carbono tem no efeito de estufa, dos NOx para as chuvas acidas e todos os outros gases e moleculas nocivas e prejudiciais para o ambiente (HCs, CFCs, CO, etc). Todos esses gases existentes em maioria devido à poluição vêm influenciar as alterações do clima que sentimos ou que outros paises sentem... A poluição da China e dos EUA afecta-nos ou pode-nos afectar...

morg@s disse...

Estando presentes nesta mesa pessoas ligadas à ciência, familiarizados com o conceito do par acção-reacção, creio que será um dado adquirido que toda a acção provoca um efeito e por sua vez uma consequência. Pode não ser o bater das asas de uma borboleta que irá despoletar uma catástrofe, mas creio que o homem está a viver uma era com um comportamento muito pouco sustentável, pelas suas acções no quotidiano.
O homem pode não ser responsável pelo aquecimento global do planeta , isto é, ser capaz de alterar o clima em geral, mas digamos que não está a contribuir para uma harmonia com o seu meio ambiente.
Resumindo, não haverá antes, uma necessidade de tornar a sociedade mais inócua, direccionando-a no sentido de um desenvolvimento sustentável, para não comprometer o futuro? Talvez se deva passar do bom senso para as regras!

Cumprimentos.

Artur disse...

Boa tarde e felicitações a toda a equipa que faz este programa. É pena é ser emitido a esta hora.
O meu nome é Artur Ceia e como formação, tenho o 12º Ano do Ensino Recorrente, denominado por mim, como 12º ano dos analfabetos.
Ao ouvir os quatro convidados de hoje, mais se aprofunda a opinião que tenho à cerca destas coisas do Ambiente e da manipulação a que são sujeitas. Concordando parcialmente com as duas facções do programa de hoje, fico surpreendido por, finalmente, darem voz a cientistas que olham para os problemas tendo em conta a frieza dos dados, e não numa perspectiva do politicamente correcto. Não concordo plenamente com qualquer das opiniões presentes, pois todas elas têm a sua relevância, dependendo do assunto e do ponto de vista. Mas posso facultar um exemplo que através da minha experiência profissional tenho constatado ao longo do tempo. Quando se criaram os aterros sanitários, fizeram-se previsões de rotura com prazos acima dos 50 anos. Mas existem notícias de que a maioria dos aterros existentes estão quase a atingir a sua capacidade máxima. E isto devido a quê? Simplesmente, porque as empresas responsáveis pelo nosso sistema de reciclagem, separa os resíduos consoante tem mercado para eles, ou não. Se tiver cliente para determinado resíduo este é devidamente processado. Se não existir mercado, o resíduo entretanto já separado é adicionado aos resíduos comuns e vão parar ao aterro sanitário. Isto depois da maioria dos cidadãos deste País serem mão-de-obra gratuita a favor das empresas de reciclagem de resíduos que têm assim cerca de 80% do trabalho realizado e de borla. Isto tem a ver com ambiente ou com questões políticas e económicas?
Dá que pensar.
Cumprimentos e continuem com estes temas polémicos pois é assim que se informa a sociedade.

Fernando Martins Vale disse...

Quando estamos debaixo de uma árvore sentimos fresco, não só pelo facto de ficarmos à sombra, mas também porque a clorofila das folhas absorve a energia solar e transforma-a em celulose, fixando o carbono. Por esse motivo, é mais fresca a sombra duma árvore que a dum toldo. Portanto, quando queimamos uma floresta, contribuímos para o aumento da temperatura global que resulta da soma de pequenas parcelas. No Dubai, o plantio intensivo de árvores causou diminuição de temperatura.
Se admitirmos como o Eng.º José Domingos, que pode haver modificações das temperaturas regionais, o somatório destas acaba por alterar a temperatura global. Como afirmou Lavoisier, no mundo nada se cria nada se perde, tudo se transforma.
Quanto ao método da Ciência, este tem que ser rigoroso para permitir a reprodutibilidade e verificação por outros cientistas. O papel dos revisores científicos, embora possa ser desvirtuado por certas políticas editoriais como afirmou o Eng.º Rui Moura, tem no geral uma função essencial de análise não só da originalidade mas sobretudo da reprodutibilidade e fiabilidade dos dados apresentados. A solidez da ciência resulta sobretudo da possibilidade de ser vericável.
Se tantas revistas científicas falam do aquecimento global, é porque certamente isso foi medido com termómetros por muitos, e não é a autoridade de académicos como os Sr.Engº. Rui Moura, e José Delgado Domingos, que pode negar factos que muitos mediram e todos sentimos (mesmo sem termómetros).
Fernando Martins do Vale (MD,PhD).

Martinha disse...

O Engº Rui Moura pode dizer-me o que entende por "efeito de estufa"?

Posso desde já adiantar-lhe que efeito de estufa é a acumulação na atmosfera de gases como o dióxido de carbono, o metano, o óxido de azoto e os cfcs, levando ao aumento da temperatura terrestre não só numa zona específica, mas em todo o planeta.

Nós até podemos ser muito menos que uma formiga no universo, mas no planeta terra somos uma formiga com tentáculos poderosíssimos.