quarta-feira, novembro 18

Artesanato em português

A tradição ainda é o que era e os “trabalhos manuais” estão a regressar em força: são cada vez mais os designers e estilistas a apostar nas rendas e nos bordados (vide os casos de Joana Vasconcelos ou Nuno Gama), os lenços dos namorados são cada vez mais procurados dentro e fora de portas, mesmo sem ser dia de São Valentim, e os colares de trapos que enfeitam os pescoços das portuguesas são feitos em casa ou por amigas que perderam o emprego ou simplesmente querem aumentar o orçamento mensal. Até já há quem faça tricot como terapia para emagrecer ou curar depressões. No próximo programa, vamos buscar a caixinha de costura e recuperar a arte da agulha, dos bilros e do ponto cruz.

Convidados:
Guida Fonseca
, Artista Plástica
Paula Isaías, Coordenadora da Cooperativa Aliança Artesanal
Conceição Amaral, Directora do Museu de Artes Decorativas Portuguesas da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva
Alexandra Melo, Empresária

21 comentários:

pink-pitterpatter disse...

Bom dia,
e parabéns pelo tema de hoje!Deixo um apelo às avós de forma a partilharem a vossa sabedoria com as geraçoes mais novas. Sou designer numa empresa portuguesa certificada, a Rosários 4 em Mira de Aire.É especializada na produção de fios têxteis e no seu tingimento, nomeadamente os fios para tricot e crochet. Tentamos incentivar as gerações mais novas na arte do tricot com o lançamento de publicações(Knitting Ideas-com instruções)e apostamos fortemente nas fibras naturais, ou de origem natural, como a lã, proteína do leite, seda, algodão, bambu, milho, caxemira, alpaca e no tingimento natural, com base em plantas, frutos e extractos de insectos, respeitando o meio ambiente, em equilíbrio com a natureza.
Para finalizar, penso que esta é uma área em que os alunos e professores de escolas de design deveriam apostar mais.
Um bem haja!

Lúcia disse...

Parabéns pelo tema! É sempre interessante ouvir falar sobre novas ideias apoiadas nas nossas tradições e costumes.

Sempre gostei muito de fazer trabalhos manuais - ponto de cruz, pintura em gesso e marfinite, objectos em feltro...

Nos últimos tempos vi o meu rendimento reduzido e decidi apostar na venda dos objectos que faço. Só tem vantagens: relaxo, faço algo de que gosto e que e ainda consigo um rendimento extra!

Além disso, a dedicação a uma tarefa prática, de conclusão mais ou menos rápida, é muito motivadora, sobretudo para quem trabalha o dia inteiro no computador.

Raquel disse...

Ola Boa tarde estou a ver o programa e gosto muito do vosso trabalho ,faço artesanato em varias areas e tenho muita pena de ñ haver cursos de expecialização,neste momento estou a receber o RIS e tem m ajudado muito pois tenho problemas de saude que m impedem de fazer outro tipo de trabalho neste momento vou apreender a pintar e espero de futuro poder fazer disto o meu trabalho já k tenho varios problems de mobilidade deixo aqui os parabéns pelo trabalho feito.

Spiralya disse...

Bom Dia
O meu nome é Carlos Vargas.
Tenho formação profissional certificada em Cerâmica ( CENCAL e Associação de Artesãos de Lisboa), sendo uma das formações referente a uma actividade em vias de extinção: a olaria de roda.
Já tive intenções de formar empresa nesta àrea, mas sempre me foi impossivel levar a bom termo essa idéia, pois o artesanato é uma actividade que é sanzonal e não permite muitas vezes um salário constante e estável.

Também penso que se deveriam dar hipóteses a formandos certificados , para serem estes a dar formação, em acções de formação, e não serem só pessoas que detenham um diploma de ensino superior.
Deveriam as autarquias recuperarem edificios degradados, para ateliers e comércio de artesanato, formando assim centros específicos para a divulgação destes valores que poderão perder-se num futuro próximo.

Os apoios na divulgação no exterior deveriam ser maiores e mais eficientes , sendo as politicas de comércio externo as principais dinamizadoras da divulgação do artesanato português.

Obrigado e um bom trabalho
Carlos Vargas

Jorge CF disse...

Parabéns pelo tema de hoje.

Spiralya disse...

Grandes marcas deveriam associar-se mais ao artesanato português, oferecendo como venda complemento aos seus produtos , peças de artesão locais dinamizando e apoiando desta forma o artesãpo local

Júlio Sá disse...

Promover e incentivar o artesanato português tem que passar (também) por criar mercado para os produtos criados. Nesse sentido parece-me que uma loja "internacional" como é a feitoria apresentada neste programa (http://www.feitoria.com.pt/pt/) faz um bom papel ao transportar os objectos artesanais criados e vividos no mundo rural português e comercializando-os para fora do país via internet. É importante fazer com que o tradicional também venda. Assim garantimos a preservação de boa parte da nossa cultura.

Spiralya disse...

Os comités institucionais, empresariais ,que vão em serviço para eventos no exterior deveriam divulgar mais o artesanato nestes eventos (no estrangeiro).
Convidarem as associações de artesãos locais, para organizar estas vertentes de divulgação é uma forma de apoiar os artesãos directamente ligados a estas associações.
Nacionalmente a publicidade nos media deveria apostar fortemente na divulgação do artesanato português, dando espaço dedicado e em condições mais favoráveis para esta divulgação.Tempo de antena, maior atenção nos programas de maior audiência com rubricas integradas nestes programas, etc...

disse...

http://www.santotirsohoje.com/exposicao-de-presepios-em-santo-tirso/
Em relação ao tema de hoje no sociedade civil, sobre artesanato, há em Santo Tirso uma exposição de presépios, de artesanato. Organizado pela Confraria do Caco, a confraria do artesanato... :D

Sociedade Civil disse...

Bom Dia
O meu nome é Carlos Vargas.
Tenho formação profissional certificada em Cerâmica ( CENCAL e Associação de Artesãos de Lisboa), sendo uma das formações referente a uma actividade em vias de extinção: a olaria de roda.
Já tive intenções de formar empresa nesta àrea, mas sempre me foi impossivel levar a bom termo essa idéia, pois o artesanato é uma actividade que é sanzonal e não permite muitas vezes um salário constante e estável.

Também penso que se deveriam dar hipóteses a formandos certificados , para serem estes a dar formação, em acções de formação, e não serem só pessoas que detenham um diploma de ensino superior.
Deveriam as autarquias recuperarem edificios degradados, para ateliers e comércio de artesanato, formando assim centros específicos para a divulgação destes valores que poderão perder-se num futuro próximo.

Os apoios na divulgação no exterior deveriam ser maiores e mais eficientes , sendo as politicas de comércio externo as principais dinamizadoras da divulgação do artesanato português.

Obrigado e um bom trabalho
Carlos Vargas

--
Web Links:


Blog : mynotaurus.blogspot.com

MySpace : www.myspace.com/spiralyavortex

( por mail)

Spiralya disse...

Se existe um plano nacional de leitura , porque não também um plano nacional do artesanato e cultutra tradicional?

Spiralya disse...

Os artesãos precisam de um programa totalmente dedicado ao artesanato, em horário acessivel e com divulgação bem dinâmica, nos meiso audiovisuias.

Arte em casca de ovos disse...

não dá para viver !!!!!!! Tenho corrido tudo, tudo o que foge á regra não vende. O artesanato não é o tudo o que as srs dizem.

Carlos

Arte em casca de ovos disse...

Arte em casca de ovos poucos são os que fazem no mundo, mas tambem pouco ligam, vejam só os apoios que têm os artesões açoreanos.
Que tipo de apoios têm os artesões portugueses (continente) ?
Se até ao fim do ano não arranjar ajudas vou simplesmnete deixar.
Nas feiras de artesanato o publico está farto de ver sempre a mesma coisa. Não se desenvolve está sempre na mesma coisa.


Carlos

LÚCIDO VALENTE disse...

Padarias, realmente um bom tema mas só se for em palavras homografas e homónimas.
Quando falamos de RSI ou outro tema qualquer, deveriamos e deveremos saber e ou estar por dentro dos assuntos; que tal a comunidade saber que o valor de RSI para um adulto ser cerca de menos de 100Euros por mês. Existem outros problemas, claro, e alguém está a tratar deles, não. A culpa é do geverno? nem por isso, funcionalismos senhores. Pode ser que um dia a comunicação social se interesse em saber muita coisa que tenho para dizer. Artesanato em português é bem visto, deveriamos trabalhar muito mais, ...com as mãos, não só alivia o stress, como eleva os niveis de dopamina. Logo vou trbalhar com os pés e com a mesma finalidade. Dançar.......

Ana Lopes disse...

Olá boa tarde!!
Chamo-me Ana Paula e sou artesã sem actividade. Desde pequena que gosto de trabalhos manuais, e hoje em dia o que mais gosto de fazer é trabalhos em feltro e tecido. Gostava de fazer desta actividade o emu trabalho, mas acho um pouco dificil porque hoje em dia uma pessoa que perde o trabalho vira-se para estes trabalhos e sem querer vende-os a preços baixissimos fazendo com que pessoas como eu que já anda nisto há muito tempo perca um pouco a clientela..............tenho muita pena em ver de vez em quando pessoas a dizerem que é caro o nosso trabalho.............mas como eu digo o que eu faço é totalmente feito á mão, não são peças concebidas por mim, são feitos com moldes que já exisitem , mas as minhas clientes adoram o meu trabablho pois eu dou vida nova a esses moldes.
Espero sinceramente que as pessoas começem a dar mais valor ao nosso trabalho^_^
Obrigada e bjs da Ana

Sylvie disse...

A @lucia é um bom exemplo de que estar desempregada não significa estar desocupada! Eu estou desempregada mas tento sempre manter-me ocupada o mais possível. Podemos fazer os nossos hobbies render $. Podemos por em prática ideias que temos e por aí a diante.
Fiz e vendi muita bijouteria artesanal durante uns anos e adorei!
Como não tinha loja vendia directamente aos clientes participava em feiras, exposições, vendia também peças para lojas de renome, etc! acabei por desistir porque o material que eu usava era demasiado bom para os preços que era "obrigada" a praticar por causa da forte concorrência chinesa e indiana. Quase não tinha lucro e o pouco que tinha não justificava o tempo que perdia com cada peça.
Lembro-me ainda hoje, de vender as minhas peças numa banquinha na baixa da cidade e serem mais apreciadas por estrangeiros do que por portugueses!Principalmente os Espanhóis (que eram muito bons clientes) e que (no caso de peças em pedras semi-preciosas, por ex.) conheciam as diferentes pedras, achavam muito barato o conjunto, (brincos e colar, 10€), conheciam as pedras dos seus signos, enfim era uma experiência de venda totalmente diferente. Eles paravam logo a ver as peças, via-se que conheciam pedras e o que não sabiam perguntavam e no fim, sabiam que estavam a comprar bijouteria artesanal (tudo feito á mão, por nós, ao mínimo pormenor) e valorizavam-na não se importando por isso de pagar mais que fosse! Os portugueses quase não paravam para ver o que estavamos a vender com medo de parecer mal e quando paravam, a maioria, não conhecia as pedras, não davam valor ao trabalho e tempo de execução da peça, ao facto de ser original, e ainda reclamavam sempre o preço! torciam o nariz ao preço pedido porque no chinês compravam igual a 3€!!
(Havia e há excepções, claro!)

Desisti de tentar e lutar mas se calhar, em breve, quem sabe volto a fazer umas peças? :)

Hoje em dia os projectos só vingam através de contactos/cunhas/panelas.
Por rigor, profissionalismo e honestidade neste nosso mercado e sociedade...não sei não...
Cmp.
Sylvie

António disse...

Boa tarde

Pena não ter visto o programa ia adorar...
Sou um jovem de 18 anos que gosta bastante de artesanato, e comecei a fazer pequenas coisas por volta dos 12/13 anos de idade.
Tenho mesmo pena ia gostar mesmo de participar neste tema.
Vou deixar o meu endereço do meu blog para poderem dar uma vista de olhos e deixarem criticas construtivas.

"http://antoniommi.blogspot.com"

Se não estiver ou se estiver gostaria de ver algumas partes do programa na net. Se souberem onde o posso ver digam.

Bom tarde e estas iniciativas da minha parte são excelentes.

ANA disse...

Boa tarde ,
Parabéns pelo tema , tão actual .
Sou gerente em uma empresa de tricot artesanal, tricotmaquinas, e de facto não ha duvida que cada vez mais o artesanato esta na Moda , e pode muito bem ser uma saída profissional para os dias de hoje , aproveito para deixar um convite a visita do nosso site tricotmaquinas.com para todos que tenham gosto e vontade por abraçar esta arte . Bem haja !
Ana Lobo

Mulher moderna disse...

Boa noite...
alguem sabe onde posso adquirir marfinite em po? estou farta de procurar mas ninguem sabe. o meu obrigado :)

Anabela Costa disse...

Olá: gostaria de saber como vender artesanato para fora do país.
h://tarequicesdabelita.com
Obrigada