sexta-feira, novembro 6

Dieta da restrição calórica=longevidade?

Entre todos os estilos de vida, medicamentos e terapêuticas que prometem um aumento da longevidade, só um teve comprovação científica: a Dieta da Restrição Calórica. Parte do pressuposto que quanto menos calorias uma pessoa consumir, mais tempo ela irá viver. Daí o nome "Dieta da Longevidade". Testada em laboratórios desde 1930, não trata apenas de restringir o consumo de calorias – há que ter em conta os nutrientes essenciais que devem estar presentes no dia-a-dia. Os efeitos de uma dieta baixa em calorias nos seres humanos ainda é motivo de controvérsias e curiosidade - e hoje também motivo de debate no SC.

Convidados:
Isabel do Carmo, Endocrinologista
Cláudia Minderico, Nutricionista
Sandra Cardoso, Docente Fac. Medicina de Coimbra e Investigadora do Centro de Neurociência e Biologia Celular
Francisco Araújo, Médico Medicina Interna

9 comentários:

Luis Capucho disse...

Estou a ver o programa, e é um erro tremendo estar apassar a imagem que a restrição calórica ajuda a saude. Então e os nutrientes? que é a base do nosso metabolismo

Sylvie disse...

Boa tarde!
Eu meço 1,79 peso 50kg (magrissima, infelizmente).
Devido a um problema de saude que ainda não conseguimos identificar eu praticamente deixei de comer desde junho. (Ando enjoada e vomito todos os dias ao acordar!) Ao me alimentar tão mal, estou a fazer uma restrição calórica (?) estou magrissima e não me sinto bem assim.
Este tipo de dieta não me parece ser muito saudável.
As pessoas desejam tanto ser magras e quem o é (como eu) tudo o que quer é engordar e para isso continuo a dizer não há informação quase nenhuma. As pessoas riem-se quando dizemos que quermos desesparadamente engordar...pensam que para engordar só é preciso comer! (e não é assim tão fácil ganhar peso e saudavelmente!)

outoforder disse...

Boa tarde. A única vantagem da restrição calórica para uma maior longevidade será a diminuição da formação de radicais livres, produtos da respiração celular. No entanto devem ser garantidos sempre os nutrientes essênciais e energia para a manutenção da vida no Homem. Em que, as necessidades nutricionais são definidas pela saúde ou natureza da patologia, reservas corporais, perdas normais ou anormais (pele, urina, sistema gastrointestinal) e interacções com fármacos. Quanto às necessidades energéticas são ditadas pelo Metabolismo Basal, Dispêndio Energético, Peso de Referência e actividade do indivíduo.
Parabéns pelo programa e bom fim-de-semana a todos.

Luis Capucho disse...

Ok, é importante ter os nutrientes essênciais e manter cerca de 1750 kcal em média. já vi que precepitei-me. Mas tambem seria importante lembrar que se o metabolismo estiver "afinado" acaba por rejeitar tudo o que fôr consumido em excesso

Sylvie disse...

Se há tanto desemprego e crise há de certeza centenas de pessoas em casa o dia todo (sedentarismo). As pessoas não têm dinheiro para comer bem!
Os "bons" alimentos são tão caros, como podemos nós aumentar o seu consumo?? (temos que ser realistas...)
Eu não como carne, não como quase peixe nenhum e não tenho anemia. Sinto-me fraca por estar magra mas a nível de análises está tudo ok! é estranho...

florival disse...

F Costa
Potimão

Gostava que fosse explicado porque é que os meus avòs só se alimentavam à base de carnes gordas e derivados viveram até por volta dos cem anos e os mais novos que supostamente se alimentam rasoavelmente bem morrem muito mais novos.

Sylvie disse...

Quem faz restrição calórica e perde demasiada massa muscular o que deve fazer para recupera-la?

joana disse...

é precisamnete a invasão do sistema de vida americano que traz as "tradições" de "encher" as crianças de doces, é tb esse sistema que é alimentado pela teoria de que a carne é essencial...
alguém que clarifique: o ferro não é fornecido apenas na carne ou no peixe, e já agora, há vegetarianos saudáveis.

Voz Portuguesa disse...

Oi. Qual o seu pensamento acerca deste assunto, agora que algum tempo já passou sobre o programa?

Carla Matador,
Meratol Review