terça-feira, julho 20

Burlas com as férias

O fecho em Portugal de dezenas de balcões de uma multinacional de agências de viagens estragou os planos a milhares de portugueses. Mas o leque de burlas com viagens ou durante as férias é mais vasto. A quem reclamar se o local de destino em nada corresponder ao anunciado? Pode exigir-se à companhia aérea o reembolso do bilhete em caso de atraso? E quando a bagagem se extravia? Que cuidados tomar com o cartão de crédito? Como escolher entre os vários seguros de viagem?

Convidados:
Paulo Fonseca
, Jurista Deco
Pedro Carvalho da Fonseca, Advogado
Tiago Salazar, Jornalista e Escritor
Cláudia Carvalho, Produtora da Volta ao Mundo

9 comentários:

cininha disse...

Vale a pena fazer o seguro de viagem 'oferecido' pela companhia aérea ou deve-se encontrar outra solução?

Martins disse...

Boa tarde. Gostava de saber se a história do sr. Tiago se passou em OMSK na Sibéria, pois eu e um amigo meu temos uma história quase igual, mas com um desfecho pior. O erro da agência lá ficou e como é óbvio nunca assumiram responsabilidades, o pior foi termos sido assaltados por taxistas com risco de vida e nos terem roubado quase todo o dinheiro que tínhamos na altura, cerca de 500 euros. Acabamos por fazer a ligação que nos faltava de avião. Será que estes agentes de viagens não têm mesmo um esquema para fazer com que os turistas fiquem em terra por erros no horário dos comboios.
Continuação deste excelente programa, que só peca pelo horário.

Somebody.... disse...

As férias começam no momento em que fechamos a porta da nossa casa. A PSP alerta no site www.psp.pt para as boas práticas que devem ser seguidas para irmos de férias. Comecemos por dizer à PSP que vamos de férias, deixemos a chave da caixa de correio ao nosso vizinho, coloquemos um relógio numa ou duas lâmpadas economizadoras de partes distintas da casa e boa viagem com calma e a aproveitar as paisagens. Nestas férias dê férias à velocidade.
Boas Férias
Paulo Ornelas Flor

Fábio Coelho disse...

Viajo à 4 anos, já visitei 9 paises e nunca recorri a uma agencia de viagens. Prefiro marcar um hotel e passagem directamente junto do hotel e da transportadora aerea. Porquê pagar a alguem quando posso fazer eu o TPC e usar a internet para marcar as minhas viagens? No meu ponto de vista recorrer a uma agencia é pagar e ter problemas. E neste sentido incluo também as transportadoras lowcost, o que se poupa na passagem, que nao inclui tudo incluido, perde-se em voos cancelados e falta de reposicionamento em novos voos. Seiramente as companhias convencionais compensam o custo.
Fabio 22 anos.

Nuno disse...

Escrevo apenas para lembrar que na maior parte das vezes, quem reserva as suas ferias, fa-lo de uma forma muito "light" não querendo saber o que está ou não incluido, apenas pagam e esperam ter direito a tudo o que for possivel e imaginario...resumindo, é sempre mais facil culpar as agencias que dizer que não fizeram as perguntas sufucientes nem tão pouco se procuraram o maximo de informação possivel.

Nuno B.

Nuno disse...

no "meio" do turismo/agencias de viagens já se esperava á meses este desfecho da Marsans...porque não foi acautelado ?

tmssf disse...

Sou uma das muitas enganadas pela nextravel (entre a agência e o operador turístico), assinámos e pagámos um pacote de serviços, nos primeiros meses até funcionou. Mas depois "fecharam" (aparentemente), não atendem ninguém.
Pedi ajuda à DECO, não ligou nem aconselhou.
Será que alguns dos convidados nos poderá aconselhar ao que devo fazer para reaver dinheiro ou serviços?

Manuela disse...

Há vários anos que viajo em família e, nos últimos tempos, com um grupo de amigos. Marcamos tudo pela internet, normalmente, pela mesma agência, a qual não nos deu qualquer problema até ao momento e tem dado resposta às questões solicitadas. Na verdade, quando tive um problema de bagagem a agência da altura (que era uma das mais conhecidas protuguesas) não me ajudou na resolução...
Tem a grande vantagem de proporcionar preços bastante mais acessíveis.
Claro que "verifico" e confirmo as coisas...

Sociedade Civil disse...

Boa tarde.

Sendo eu agente de viagens, e ao assistir ao vosso programa, não poderia deixar de tecer o meu comentário.

No que às agências de viagens respeita, é bom ter sempre presente que tal como em qualquer outra actividade, há bons e maus profissionais, instituições credíveis e outras que não o são. Acontece que o fenómeno da internet trouxe ao nosso dia a dia uma realidade que é a de que todo e qualquer cidadão de qualquer classe ou sector da nossa sociedade percebe tanto ou mais de viagens do que qualquer pessoa que faz dessa actividade o seu dia a dia e o seu sustento. Ora claro que isto não é verdade. O consumidor sabe navegar na internet mas no que à componente técnica concerne, sabe bastante menos.

Desde logo, por ser o interlocutor mais visível, o agente de viagens é sempre quem colhe os louros quando corre bem, mas também é quem supostamente é o único responsável pelo que menos bem corre. Um agente de viagens é em primeira instância alguém que tem a capacidade de concentrar em si toda uma série de recursos que lhe permite construir um produto turístico na sua plenitude. Estes recursos são tão somente outras instituições dentro da mesma actividade (operadores turísticos, agentes locais e receptivos, companhias aéreas, etc.). Por toda a agilidade que tem dentro da actividade, o agente é efectivamente quem trata de todo o processo, e é obviamente que assume em primeira instância as responsabilidades por o que vai ocorrendo no decurso normal da realização dos serviços.

Vulgarizou-se a actividade do agente, porque a internet parece responder a todas as necessidades, e mais que tudo responde a um preço mais barato. A título pessoal sou a favor de economizar, como qualquer outro cidadão. No entanto a realidade subjacente a esta necessidade de economizar pode ser mais complicada que o que parece. É porque quando corre bem, é uma maravilha, mas quando corre mal, a quem é que o consumidor que "tudo sabe" se vai queixar? O que fazer quando se está em Viena ou Praga e a Sky Europe não atende telefones e não tem aviões na placa?! Quem protege quem aqui? Claro que o agente de viagens, como pessoa idónea e provida de conhecimento e margem de manobra que é, protegerá sempre o seu cliente com uma noite de hotel e uma passagem em linha aérea regular para o dia seguinte. Mas se comprou na net, se calhar já não há quem proteja...