terça-feira, setembro 21

Douro Vinhateiro

Quantos portugueses saberão que a zona do Douro vinhateiro – uma área que abrange 26 mil hectares – é património mundial classificado pela UNESCO? Quem saberá que a tradição das vinhas e dos vinhos remonta aos romanos e que o vinho do Porto é muito recente tendo em conta a história do Douro vinhateiro? Como é visto e vendido este produto e a “marca Douro” no estrangeiro?
Neste SC , e a partir da Casa da Musica vamos "subir o rio num rabelo"...

Convidados:
José Manuel Lopes dos Santos, Pres. Unidouro – União das Adegas Cooperativas da Região Demarcada do Douro e Vice-pres. da Federação Nacional das Adegas Cooperativas
Pedro Silva Reis, Presidente Real Companhia Velha
George Sandeman, Administrador Sogrape
Paulo Osório, Vice-presidente Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto
Mário Ferreira, Presidente Douro Azul

6 comentários:

BB disse...

Muito rapidamente gostava apenas de desejar um aniversário muito feliz à Fernanda Freitas e o meu muito obrigado pelo excelente trabalho que tem vindo a desempenhar ao longo dos anos com este programa.
Um grande beijo Fernanda e obrigado.

wm disse...

teria o Porto (cidade) projecção internacional sem a existência do Vinho do Porto, que apenas neste local é armazenado??

Jorge disse...

Ontem tive mais uma vez o privilégio de descer desde S. João da Pesqueira até à régua pela margem sul do rio. É um espaço admirável, uma paisagem prodigiosa onde encontro muitos dos afectos que aquecem o meu mundo. Volto sempre que posso e, de cada vez, o Douro reinventa-se e volta a fascinar-me. Confio no querer e bom senso dos autarcas para, em parceria e sem bairrismos, promover esse território mágico que é de todos.

Jorge Mota, Viseu

trepadeira disse...

Boa tarde

O vinho produzido no Douro sempre se chamou,"vinho generoso" ou "vinho fino".
Hoje está desaparecido.Era um néctar que desdobrava ao fim de sete anos,naturalmente.
A ganância levou a criar um sucedâneo,um abafado com acrescento de aguardente vínica,susceptível de ser imitado na Califórnia ou Sul de Espanha.
Plantaram-se vinhas em encostas impróprias,voltadas a Norte e sem solo apropriado.
Optou-se por quatro castas,de maior produção mas sem qualidade,em detrimento das cerca de vinte e quatro existentes.
Este caminho levará,com certeza, ao fundo de alguma das barragens que ajudaram a descaracterizar o Douro e a região e,com o aumento de humidade,também o vinho.
O resto são afirmações convenientes e muito correctas para quem lucra com a situação.
Cordialmente,
mário

Candeias disse...

www.douromedia2010.com

Cidália disse...

Boa tarde Fernanda,
Falaram há pouco em lagaradas...sugiro que vão,este fim de semana até á festa das Lagarads em Celeirós do Douro onde poderão ter a experiência de pisar uvas em grandes lagares (de uma forma livre e gratuita).Aproveitem e visitem Provesende, Sabrosa...

Cidália, Vilarinho de S.Romão (ao ladinho de Celeirós)