quarta-feira, setembro 22

Gastronomia a Norte

Tripas à moda do Porto, Rojões à moda do Minho, francesinhas, papas de sarrabulho, jesuítas de Santo Tirso ou toucinho-do-céu são pratos que facilmente se encontram numa mesa nortenha. Comidas fartas e hiper-calóricas. Prejudiciais para a saúde? Talvez não. As opiniões dividem-se e há quem defenda que a variedade de ingredientes proporciona refeições equilibrada que fornecem ao organismo todos os nutrientes de que necessita. Basta comer com moderação. Afinal, a gastronomia nortenha enquadra-se ou não nos standards da nutrição contemporânea?

Pedro Graça, Coord. Plataforma Contra a Obesidade
Hélio Loureiro, Confrade Fundador da Confraria da Água e Chef da Selecção Nacional
Alexandra Bento, Ass. Port. dos Nutricionistas
José Pereira, Empresário de restauração
Mafalda César Machado, Critica gastronómica

10 comentários:

Martinha disse...

sou uma mulher genuínamente do norte e adoro o Porto mas e, não querendo ser inconveniente para o programa, não gosto de tripas, nem de rojões e muito menos de papas de serrabulho...! sou mais do género de cabrito assado no forno com batatinhas novas ou então castanhas

Martinha disse...

a obesidade não é bem por aqui, é mais pelo caminho da comida fast-food e pelo sedentarismo

myydiskk disse...

Adoro todo o tipo de pratos confeccionados no Norte do país e em relação à forma como são servidos, sempre muito :) .Também não me parece relevante associar obesidade com os práticos típicos mencionados, é tudo uma questão de educação alimentar, mais nada. Devo lamentar mais uma vez que percebi que ontem o programa voltou a ser centrado à volta do Porto, e hoje embora com menor incidencia, não está a fugir à regra. É pena um programa tão genial e bom, falhar em algo tão simples, mais valia alterarem o tema dos programas, trocar Norte por Porto. Apesar de tudo isto, excelente programa.
Eduardo Costa, Braga

myydiskk disse...

*práticos=pratos

Eduardo Costa, Braga

mónica disse...

Tudo na vida passa pela moderação e a alimentação nao foge à regra. Desde os fast-foods aos rojões, tudo passa pela moderação!!

Isabel disse...

Parabéns pela abordagem do Tema Porto e Norte de Portugal, muito actual e pertinente. O enfoque deste destino turístico é merecedor de uma análise detalhada.
Isabel Borges

João Marques Ribeiro disse...

Penso que falar em "norte" é um erro em todos os aspectos, mas na gastronomia isso nota-se particularmente. Dentro do espaço "nortenho", as diferenças entre as tradições e, consequentemente, a gastronomia, de Entre-Douro e Minho e Trás-os-Montes são tão grandes, que praticamente não têm pontos de contacto.
Acho que é essencial que se distinga o Entre-Douro e Minho dos rojões e das papas de sarrabulho, dos pratos acompanhados por abundantes doses de arroz e vinho verde, do Trás-os-Montes da posta à mirandesa e dos enchidos, onde quase não se come arroz, o vinho é maduro, e a cura dos enchidos é completamente diferente!

Eduarda disse...

Gastronomia do Norte ou do Porto?

Pelo que vi ainda não falaram da transmontana...

Jorge Habitualmente disse...

com risco de saúde, com risco de obesidade ou não , comer (com qualidade) é um prazer extremo como muitos outros prazeres que nos podem fazer mal. Admitamos que hoje em dia até respirar faz mal á saúde.
Irei sempre defender as tradições, neste caso gastronómicas e estarei sempre contra a ASAE, a fast-food e os nutricionistas que são do mais inútil que há.

atentamente

Cidade do Porto disse...

A historia das tripas e a quando das invasoes francesas,as tropas de Napoleao vinham do sul e no norte encontraram forte oposicao. Montaram cerco a cidade do Porto as gentes da cidade tiveram a ideia de retirar as tripas dos animais e atiraram os animais inteiros aos franceses que cansados e com fome pensaram que tinhamos comida para muitos meses e assim levantaram o cerco e foram embora.