quarta-feira, janeiro 19

É possível outra Economia?

O grupo Economia e Sociedade da Comissão Nacional Justiça e Paz lançou uma petição online, que conta já com milhares de assinaturas, contra as medidas do Governo para a crise, considerando que têm carácter recessivo e elevados custos sociais. Todos signatários afirmam que os cortes salariais e outras formas de tributação não são, de todo, as medidas certas. Defendem, entre outras medidas, a eliminação de paraísos fiscais, a tributação fiscal sobre transações financeiras, o combate às ações especulativas e normas de responsabilidade e conduta ética. Conheça melhor esta proposta, com os especialistas e parceiros mais envolvido na economia social.

Convidados:
Ricardo Paes Mamede
, Prof. de Economia Política ISCTE-IUL
Manuela Silva, Coordenadora Grupo Economia e Sociedade da Comissão Nacional de Justiça e Paz
Padre Maia, Fundação Filos
Sofia Santos, Economista

9 comentários:

M. João disse...

Os portugueses lamentam-se muito e protestam pouco. E, sobretudo, acham que a culpa/responsabilidade é sempre dos outros. A escola tem uma grande tarefa pela frente. Mas cabe-nos a todos forçar as soluções. O país é de todos, não é só de alguns: a responsabilidade é - devia ser! - partilhada pelos cerca de 10 milhões que somos...

João disse...

João

Isto é tema que dá pano para mangas e o conjunto completo mas deixo 3 opiniões.
1- Pôr uma banda gástrica no Estado.
2- Cultura empresarial precisa-se.
3- Pôr a justiça a funcionar, mesmo, para todos.

Sousa e Melo disse...

Pergunto, este governo diz que o país está em crise, devido á crise externa, ou seja estamos mal por causa dos outros. Mas no Estado Novo o Dr Oliveira Salazar pôs em prova o País na saída da 1ª grande guerra, na guerra civil espanhola, na ...2 grande guerra, na guerra do ultramar, e sobrevivemos... melhor ainda o regime caiu sem um tostão de dívida pública nem ao estrangeiro. E estes governos pos 25 de abril, receberão milhoes do exterior, para esbaratar, e ainda estamos com dividas de milhoes e milhoes de euros... e ainda conseguiu baixar as reservas de ouro deixadas pelo antigo regime

Sousa e Melo disse...

Pergunto, este governo diz que o país está em crise, devido á crise externa, ou seja estamos mal por causa dos outros. Mas no Estado Novo o Dr Oliveira Salazar pôs em prova o País na saída da 1ª grande guerra, na guerra civil espanhola, na ...2 grande guerra, na guerra do ultramar, e sobrevivemos... melhor ainda o regime caiu sem um tostão de dívida pública nem ao estrangeiro. E estes governos pos 25 de abril, receberão milhoes do exterior, para esbaratar, e ainda estamos com dividas de milhoes e milhoes de euros... e ainda conseguiu baixar as reservas de ouro deixadas pelo antigo regime

Mara disse...

Cara Fernanda,
Liguei a TV e ouvi um dos convidados dizer que cada vez há menos participação social, menos empenho em causas da sociedade civil.
Depois de participar por 2 ocasiões - no passado sábado e ontem - em 2 manifestações de pais/encarregados de educação/professores/alunos e funcionários de escolas privadas que fornecem serviço público com contrato e que sofreram já este mês cortes de 30% nos seus orçamentos - nas quais participaram cerca de 4 mil pessoas em cada um dos dias - pergunto-me: Haverá mesmo menos participação? Eu vi ao vivo muita participação ordeira mas os meios de comunicação social não a mostraram ao país. Porquê? A mensagem parece ser que sem violência ou algum tipo de excentricidade os meios de comunicação social não mostram interesse e a mensagem não passa... Lamento que assim seja e tenho muita dificuldade em explicar isso aos meus filhos!

Dulce Sousa

Jorge Manuel G disse...

"É possível outra Economia?"

A resposta parece-me óbvia- É!

Mas não neste sistema capitalista. Não é possível regular ou refrear o capitalismo.´
Existe um outro caminho, o socialismo, para uma outra economia, essa sim ao serviço das pessoas e das sociedades.

Cumprimentos e parabéns pela introdução do tema.

Jorge Gomes

Prova Final disse...

Em França e na Alemanha foi descoberto que os impostos são inconstitucionais, alias algumas pessoas já não pagam impostos.

Aqui em Portugal poderá acontecer o mesmo?

J. ALMEIDA disse...

Não posso deixar de comentar, que o seu programa peca por não expôr a "verdadeira realidade". Este País não é uma República, e muito menos uma democracia. Tudo o que tem acontecido nos ultimos 20 anos, é, em minha opinião, uma estratégia dos países mais poderosos. Já se perguntaram porque razõa a URSS se dissolveu sem conflitos, e porque, de repente, se derrubou o muro de Berlim sem que nada o indicasse? Já pensaram que se poderá estar a recriar um novo sistema "feudal", desta vez a nível global?

J. ALMEIDA disse...

Deixo a seguinte questão: com tantos debates a nível político, sobre se o Estado deve ser mais social, ou menos, pergunto como poderá ser isso equacionado, se o "povo" não pode ter opções de rumo, sendo forçado a ter de contribuir, directa ou indirectamente, para o suporte do País (??), desde que queira viver "honestamente", trabalhando? Para eles, políticos, não há dúvida que o Estado é, e continuará a ser, SOCIAL!!!