terça-feira, janeiro 25

Porque deixamos para amanhã o que podemos fazer hoje?

"Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje” eis um provérbio que não chega a 20% da população mundial, de acordo com um dossiê do Le Monde que compila os estudos sobre procrastinação realizados nos últimos anos. Quando adiamos sucessivamente algo que consideramos maçador, complicado ou simplesmente injustificável, entramos no mundo da procrastinação – nome oficial de um tipo de preguiça: aquela que leva a encontrar boas desculpas para não cumprir uma tarefa, seja em casa, na escola ou no emprego. Ou que leva a gestos tão simples como carregar na tecla “repetir” quando o despertador toca. Há formas de contornar esta tendência? Neste SC descubra como sair do círculo vicioso. Hoje mesmo.

Convidados:
Rui Lourenço Gil, Docente Fac. de Economia e Gestão UCP
Pedro Malheiro, Consultor de Recursos Humanos
Cristina Valente, Psicóloga, Consultora Parental
Ponces de Carvalho, Diretor da Escola Superior de Educação João de Deus

7 comentários:

Martinha disse...

... e depois a ansiedade que se instala!

João disse...

João

Ao ler o título e confundir procrastinação com procriação fiquei procrastinado por instantes, e resolvi ler novamente.
Como "Darwinista" vejo que as pessoas estão a ser "esprimidas" diariamente e constantemente por um sistema doente e obsoleto.
A evolução social e mental do sistema não evoluiu como a material.

amadeu disse...

Há uma razão que ainda não ouvi: Também adiamos algo de que gostamos para ter sempre uma reserva. Como que um alimento para a esperança. Uma razão para viver. Como se vivêssemos a ilusão de que um dia vamos ser felizes, fazendo aquilo de que gostamos. Faço-me entender ?

Telma disse...

A procrastinação, tal como referia António Barreto no seu artigo de ontem no jornal Público, tem sido uma característica intrínseca da sociedade e da política em Portugal nos últimos anos. Assim sendo, medidas governamentais que foram adiadas, perderam a sua utilidade e instauraram injustiças a vários níveis. A procrastinação pode ser algo extremamente negativo porque as mesmas medidas em tempos diferentes têm consequências diferentes; e normalmente um problema cuja resolução se adia, só tende a ficar pior.

Alexandre disse...

Como posso conquistar a procrastinação nos estudos?

M. João disse...

Tenho estado a ouvi-los e a minha experiência é diferente: sou profissional independente e faço os meus horários. E o que faço é obedecer ao meu corpo. Tenho um horário mínimo - ginásio e um ou outro compromisso - mas, fora isso, trabalho quando o meu corpo e cabeça mandam. Tenho uma profissão intelectual e trabalho em casa: sou tradutora. E posso garantir-lhes que a minha saúde e bem-estar aumentaram francamente quando comecei a seguir esta disciplina. Porque é preciso ser muito disciplinada para não me perder no capricho...

amadeu disse...

Os judeus não possuíam presente. Para eles existia acções concluídas (passado) e acções inacabadas (futuro). Será que a existência de um futuro é tão importante para nós que precisamos de ter sempre acções por fazer? Será que tomam a forma de projectos de vida e dão sentido à mesma?...