quinta-feira, maio 12

Alimentação barata

Os portugueses têm menos dinheiro e a alimentação é a despesa que representa a maior fatia do rendimento familiar. Como comer bem com menos dinheiro? A partir desta pergunta base vamos responder a inúmeras dúvidas: como fazer um guisado ou um assado mais saudável? É possível fazer sobremesas baratas? Quanto custa uma sopa? Alimentos baratos são normalmente dominados por gorduras ou açúcares? A campanha da Associação Portuguesa de Nutricionistas, com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian propõe refeições equilibradas por apenas €1. Como é possível? A receita deste segredo é hoje revelada no Sociedade Civil.

Convidados:
Henrique Sá Pessoa, Chef
Filipa Vacondeus, Gastrónoma
Helena Cid, Nutricionista
Luísa Valle, Dir. Programa Gulbenkian de Desenvolvimento Humano

6 comentários:

marrocain disse...

Ola boa tarde, em relação ao tema de hoje, tenho a referir que reconheço a importancia dos productos das chamadas linhas brancasno equilibrio da economia familiar, no entanto, acho que enquanto se continuar a ocultar a proveniencia destes productos, nunca saberemos se estamos a fumentar a economia nacional.

BSimoes disse...

Olá boa tarde, quero aproveitar o facto de estarem diversos convidados da area presentes, para "matar" umas questões: 1)fruta depois da refeição ou durante? 2)Batatas + arroz (no mesmo prato) = perigo e 3) juntar o pão á sopa durante a refeição em termos nutricionais é uma má ideia? O meu grande Obrigado!:)

rapa do tacho disse...

Acho a ideia de ter uma pequena horta em casa excelente. Mas no momento só tenho um pequeno pé de pimenta... porque é o único que sobrevive! Às vezes passo alguns dias fora de casa e não tenho quem regue as plantas. Coentro, salsa e manjericão, morrem sempre (por excesso ou falta de água). O que posso fazer para manter a minha horta caseira? Obrigada.

Miriam disse...

Parabéns pelo programa. Concordo com a pouca variedade dos alimentos saudáveis nas pastelarias e nos cafés. Seria muito útil também a informação calórica dos alinentos (cafés, pastelarias, restaurantes) e/ou a indicação do peso da carne/peixe nas ementas. Comemos mal e muito mais do que necessário muitas vezes sem o sabermos.

tania disse...

Boa tarde!
O assunto de hoje é a base da nossa vida. Tenho dois filhos de 3 e 5 anos que comem todos os legumes, e não é só na sopa;-)
de há uma ano para cá a família decidiu ter um modo de vida mais sutentável: o meu marido leva os meninos ao colégios de bicicleta e eu vou de transpotes públicos. Agora o novo projecto da família é a horta na varanda: os meninos semearam e já temos a crescer uma série de legumes e ervas aromáticas, e estão radiantes porque sabem que vão comer aqueles alimentos! Estamos muitos felizes por sermos cada vez mais saudáveis. E a alimentação é uma forma de educação.

Miriam disse...

Onde se podem fazer cursos de nutrição (para não profissionais) para aprender um pouco mais e poder integrar isso no nosso dia-a-dia?
Obrigada e continuação de bom trabalho