quinta-feira, maio 31

"ENTÃO É ASSIM" - EDUCAÇÃO SEXUAL PARA CRIANÇAS

Numa acção inédita, a RTP2 cria as condições para que os telespectadores possam decidir se querem ou não que os seus filhos vejam o filme sobre educação sexual para crianças que vai passar no dia 1 de Junho.

“Então é assim” é uma co-produção dinamarquesa-canadiana, um filme de animação para crianças, que ensina tudo o que os mais novos precisam de saber sobre como se fazem bebés.

“Então é assim” vai ser exibido no Dia Mundial da Criança, 1 de Junho, às 20h30.

A novidade está em que na véspera à noite, 31 de Maio, às 23h30m, a RTP2 promove uma edição especial do programa “Sociedade Civil” em que será mostrado o dito filme e debatida a sua adequação às necessidades e sensibilidades nacionais.

Esta “ante-estreia” destina-se a dar aos pais a possibilidade de visionar antecipadamente “Então é assim” e decidirem se a sua informação e linguagem conferem com o que gostariam de transmitir aos seus filhos na fase de vida em que se encontram.

Se os educadores entenderem que é prematuro expor as suas crianças a este produto ficam de sobre-aviso para que a televisão não esteja sintonizada na RTP2 dia 1 de Junho pelas 20h30.

Se, pelo contrário, encontrarem em “Então é assim” um bom apoio para a formação dos seus filhos, não devem deixar de se mobilizar para estarem com a RTP2 às 20h30 do dia 1 de Junho.

Certos de que compreendem a importância deste empenhamento da RTP2 em mobilizar os educadores portugueses para uma questão tão fundamental e delicada como esta e em dar-lhes a oportunidade de decidirem com a máxima informação o que entendem adequado para os seus filhos.

467 comentários:

1 – 200 de 467   Mais recente›   Mais recente»
Maria disse...

Apesar de ainda não ter visionado o filme, penso que tudo deve ser explicado às crianças, adequando a profundidade do tema à idade de cada criança, para que não tenham qualquer dúvida sobre este e outros assuntos.

João Lopes disse...

este assunto é importante, ok, concordo com isso, mas a que proposito é que ele deve ser mostrado ás crianças na tv?
é o mesmo que misturar ficção com realidade, ja aconteceu com o noddy a falar sobre medicamentos...
as crianças não sabem separar a ficção da realidade como os adultos...
ate muitos dos adultos têm alguma dificuldade em separar ficção da realidade...
toda a gente sabe que as crianças gostam muito de brincar aos medicos, e aos papás, etc...
agora, vão aprender uma nova brincadeirinha, o sexo...
"põem-se um em cima do outro e..."

bravo, parabens...
estou a ser ironico, claro...
a tv nas mãos destas pessoas pode ser mais destrutiva que uma bomba atomica...
se voces apanharem as vossas criancinhas a imitarem o filme, ja sabem a quem agradecer, so espero que ela seja "homem" suficiente para ouvir as vossas criticas...
ha muito tempo de deixei de ver os programas desta senhora, e não é agora que vou voltar a ver, mas não podia deixar de ca deixar o meu alerta, a minha preocupação...
ela so gosta de pessoas que lhe dizem que gostam muito do penteado dela, etc...
que raio de participação é essa?

fiquem bem

João Lopes
joaomrlopes@clix.pt

Anónimo disse...

O sr JLopes deve achar que os miudos de hoje em dia não vêem televisão, nem acesso à net... Por favor, o papel dos pais é ajudar os filhos a crescer saudavelmente. se há pais que não estão á vontade para falar sobre esta materia, que se sentem em frente á TV para ver este filme. ou preferem que eles descubram por eles, sozinhos, correndo o risco de gravidezes permaturas??
sofia Prado

Bruno Martins disse...

Deixem que as crianças possam entender a realidade com a linguagem e formas certas. As crianças são pequenas, mas entendem as coisas. Tenho uma filha de dois anos e terei sempre abertura com ela sobre sexualidade, mas fá-lo-ei sempre com a linguagem e os apoios educativos mais apropriados a cada uma das suas idades. Deixemo-nos de falsos moralismos e assumamos a educação sexual como a arma que vai ajudar os nossos filhos a serem pessoas mais conscientes de si e do mundo real, bom e mau.

Manuel Tavares disse...

Que coisa mais ridícula. Com graves erros científicos, fora do quotidiano,linguagem abébésada, confusão de conceitos e que mostrado a crianças até aos dez anos os levará a experimentar. Foi com filmes destes que a Inglaterra se tornou o país com maior taxa de gravidez da Europa.
Manuel Tavares

José Silveira disse...

Que tipo de "educação" voces planeiam passar para nossos filho? Que eu me lembre não epdimos vossa ajuda!
1º Isto deve ser: Uma responsabilidade, um prazer e um direito do pai, dar este tipo de orientação ao filho.
2º Eram mesmo necessáras aquelas cenas no meu ver, pervertidas, parecendo um filme de kamasutra?
3º Não acham que isto estimulará a sexualidade precoce e um aumento da sensualidade esenfreada?
4º Isto não vai contra a censura e a boa moral?

De quem foi esta idéia? De algum psicólogo? Vá lá! Não precisamos disto! Dêem-nos um pouco de respeito a nós e nossos filhos! Isto é pornografia!
Estou indignado!

Luisa Pereira disse...

Já vi a animação e amanhã vou ve-la com a minha filha de sete anos, até porque ela tem feito perguntas sobre sexo, mas ao mesmo tempo também tem vergonha de perguntar. Confesso que não estou muito à vontade para falar sobre o tema com ela, pois não sei como abordar o tema de uma forma que ela entenda e fique esclarecida.
Aproveito ainda para louvar esta inicitiva.

AMI disse...

Acho que as cenas de sexo/amor, com os comentários de "o pénis a ficar duro" e "a vagina a ficar molhada" e "os gemidos" eram dispensáveis, porque, a meu ver são um bocado apelativos à prática de sexo. Tenho pena porque me deixa na dúvida de o mostrar ao meu filho. Fora isso acho que está muito bom e seria um bom complemento às explicações que a pouco e pouco fui dando.

Fernanda disse...

Que tipo de "informação" voces planeiam passar para nossos filhos?
1º Isto deve ser: Uma responsabilidade, um prazer e um direito dos pais, dar este tipo de orientação ao filho.
2º Eram mesmo necessáras aquelas cenas no meu ver, pervertidas, parecendo um filme de kamasutra?
3º Não acham que isto estimulará a sexualidade precoce e um aumento da sensualidade esenfreada?
4º Isto não vai contra a censura e a boa moral?

De quem foi esta idéia? De algum psicólogo? Vá lá! Não precisamos disto! Dêem-nos um pouco de respeito a nós e nossos filhos! Isto é pornografia!
Estamos indignados!

Fernanda

Rita Barros disse...

Apoio totalmente a iniciativa, à falta de educação nas escolas e falta de formação que, infelizmente, muitos pais ainda têem.
A educação sexual é educação para a vida, tal como ensinar o uso correcto da língua, ou o racioncínio através da matemática.
Saliento facto de o filme deixar em aberto o instinto e liberdade para cada um achar bom ou mau, agradável ou desagradável, até achar palavras esquisitas, porque consegue inscrever-se no mundo das crianças de uma forma bastante convincente.
Parabéns e votos de continuação de um bom trabalho.

(Acho até que a iniciativa de o Sociedade Civil poder ser transmitido em horário nobre deve ser algo a repetir-se. Debates sérios e serenos sobre temas que preocupam todos devia ser algo que deveria preocupar a RTP, enquanto serviço público).

Rita
22 anos
Lisboa

Cátia disse...

Boa noite, chamo-me Cátia tenho 18 anos, e contei os segundos todos que separaram o sociedade civil das 14h até agora. Espera um Bom filme, mas confesso não esperava que fosse tão bom.
Linguagem clara, objectiva, e responsavel.
Parabéns à RTP2 e ao sociedade civil pela iniciativa. Quem me dera a mim que os meus pais tivessem tido esta abertura comigo, há seis ou sete anos atrás.
Com tanta pedofilia é fundamental que as crianças percebam desde cedo o que é a sexualidade como lidar com ela, as suas vantanges e os cuidados a ter. Queria apenas perguntar, acham que filmes como este deviam ser inseridos nos ensinos básicos ? Eu acho que sim, mas não tenho formação para saber se seria correcto ou não, gostaria de perceber se as crianças cujos pais amanhã não vão permitir ver este filme, se será benefico que as escolas sejam veiculos de informação nesta area.
Fernanda os meus parabéns mais uma vez, pela excelente comunicadora que é.
Boa Noite

Cesar Silva disse...

há muito tempo que este tipo de informação/educação devia passar nos canais de tv, devia ter sido implementada mais cedo.
pelos vistos é mais facil uma criança ou adolescente ter acesso a um filme ou publicação porno que a este tipo de informação/educação.

Anónimo disse...

Boa Noite,
primeiro, queria dar os meus Parabéns à RTP2 por esta extraordinária iniciativa....e espero que continuem a apostar nisso!

Segundo, gostava de perguntar aos seus convidados, como introduzir o tema da sexualidade a crianças de 6 anos, pois é já em tenra idade que existe a masturbação infantil... e que eu, como mãe, sou confrontada com perguntas relacionadas com a sexualidade pela minha filha de 5 anos.

Não vejo isso como um tabu...pois é essencial começar desde cedo a explicar isso às nossas crianças, até porque há crianças de 12 anos a engravidar..

Obrigada

Ana, Lisboa

Rita Barros disse...

ao sr. manuel tavares:
o reino unido tem a maior taxa de gravidez na adolescência porque as relações exuais são proibidas até aos 16 anos. (lembra-se de tony blair a apelar ao sexo oral?...)
portugal é o 2º país com maior taxa de gravidez na adolescência, porque as pessoas não sabem nem querem saber

Anónimo disse...

Parabéns pela programação, isto sim é serviço público! Uma ferramenta de luxo para qualquer família que não queira deixar os seus filhos na ignorância e falsos mitos..

Parabéns RTP!

Vítor - Trofa

Fernanda disse...

Então, só irão ler os comentários oportunos? Tenham coragem e leiam os mais revoltados!

pcrime disse...

Decididamente ainda é cedo para se mostrar este tipo de conteúdo a alguns adultos. Ainda me lembro de um livro de educação sexual que a minha mãe me deu a mim e à minha irmã. Não era tão gráfico como isto, mas aprendi muito. O ser explicito não acho perturbante. O que me causa espanto é ainda se criar algum tipo de caso em torno disto. Provavelmente há pessoas que ainda acham radical o missionário.

Ricardo disse...

Acabei de ver o filme.
A questão passa pelo seguinte: a TV tem de ter uma acção educativa. Neste caso, o filme passa a informação correcta e sem tabus. Em teoria, é assim que as crianças devem aprender: com a informação correcta, de uma fonte fidedigna, na proporção correcta, e sem pudor, sem esconder as coisas.

Agora, só isto, só este filme, claro que não chega. É preciso continuar o processo de aprendizagem, falando com as crianças. Não é colocá-las a ver o filme e pronto, agora já sabem tudo e nunca mais preciso abordar o assunto, não.

Há que acompanhar as crianças e ir respondendo às questões que vão surgindo. Agora, enquanto peça de aprendizagem, o filme é real e prático. Passa a mensagem...

Olga disse...

Vi o filme e aconselho todos os pais a assistirem ao mesmo amanhã na companhia dos filhos.
Tenho uma filha de 9 anos que já sabe como se fazem bebés.
Mas, este filme ajudou-me a encontrar uma forma de abordar o tema da pedofilia.
Obrigada,
Olga Soares
Ponte de Lima

Anónimo disse...

Estou amando a opnião desta senhora de vermelho! Por que é que éste cidadão não respeita sua opnião?

Anónimo disse...

Boa Noite

Primeiro gostaria de sugerir, na continuação do tema de hoje, que abordassem os métodos contraceptivos, e a explicação de como eles funcionam.

Há crianças de 12 anos a irem às farmácias a pedir a pílula do dia seguinte.....o k é muito preocupante..pelo que estas crianças, e mesmo adultos, não sabem as consequências graves deste tipo de contracepção .. que é tomado como se fosse pastilha por muitas meninas/mulheres!

Obrigada

Sofia, Lisboa

J.C. disse...

Boa noite, eu não vi o inicio do programa e tenho uma pergunta: Para que idade alvo é indicado o filme?

Eu pergunto isto porque a animação parece direccionada para garotos muito novos (entre os 4 e os 8 anos), mas esta é a minha opinião.

Acho importante a educação sexual e conseguir despertar as crianças para os "perigos" da sexualidade. No entanto não consigo aceitar que este filme seja didáctico. A informação a ser transmitida está presente, no entanto a imagem que passa, ou seja, aquilo que as crianças mais facilmente retêm são exageradas.

Era necessário mostrar a menstruação com gotas de sangue tão exageradas?
Era necessário mostrar 4/5 posições sexuais diferentes, uma delas com uma caricata imagem de acaraciamento dos seios?

Não querendo mostrar-me com um tabú acho que o exagero mostrado no filme era evitável. Comentei horrivel, peço desculpa mas não me estou a ver, quando tiver um filho, a dar-lhe a conhecer a sexualidade de uma forma tão bruta.

Para o caso dos pais não terem "capacidade" de ensinar a sexualidade aos filhos vejo na escola uma forma de compensar. Mas não de uma forma tão bruta como a imagem, e repito, a imagem (pois a mensagem é boa) tão agressiva.

Penso mesmo que Portugal não está preparado para um filme destes.

Cumprimentos a todos,

João Carneiro!

isabel guerreiro disse...

Que boa iniciativa.parabéns.

Cosme Damião disse...

As cenas de sexo sairam de algum livro de kamasutra, sem qualquer outra base axiológica que não a mera animalidade própria de dois seres pertencentes à mais pura vida animal, no seu mais puro habitat selvagem.

Saudações educacionais.

Anónimo disse...

boa noite! Tenho 2 filhas com 5 e 7 anos e tento responder às perguntas que me fazem sobre a sexualidade. Estou separado e eu e a mãe não nos damos muito bem, como falar com elas se eu e a mãe temos opiniões diferentes e não nos entendemos?

Igor Vale disse...

Parabéns pela iniciativa!Salvo um ou outro ponto que acho menos apropriado para algumas crianças (mas sem gravidade alguma), penso antes demais que este "filme" é muitíssimo bom para a maioria dos adultos. Neste momento, o problema começa aí.Obrigado.

Mário e Patrícia disse...

os velhos do restelo devem ter gostado de não saber as coisas quando eram novos... acho que o filme está muito bom, mostram as coisas de uma maneira natural. os filhos não devem ser deixados na sala a ver o filme... tem de estar com um adulto ao lado... parabens, e espero que o filme seja disponibilizado para download...

Anónimo disse...

Será que facto há mais auto-controlo quanto mais se houve? O sexo está presente na música, na publicidade, nos filmes e até nos desenhos animados... O que vimos hoje? Um auto grau de adolescentes grávidas e jovens tendo relações unicamente por prazer sem um mínimo sizo ou noção de responsabilidades.

Paulo Pinto disse...

Comentários curiosos... pelos vistos, algumas das pessoas que comentaram antes de mim já não se lembram de quando tinham 10 anos e, pior, não fazem ideia do que são as conversas das crianças de hoje. Do que é o acesso facílimo das crianças às imagens envolvendo sexo, quando os pais julgam que elas estão a ver a Floribella. Nem falo da Net. As crianças vêem e ouvem os outros, sabem, imitam, adivinham, fantasiam, exageram. Aprendem, com ou sem erros. Cabe-nos a nós fornecer-lhes a informação mais correcta. Como este filme. Se não o fizermos, elas não ficam assexuadas. A informação lá chegará, mas distorcida, confusa, com erros. Por isso, é chegada a hora de acabar com hipocrisias. Falsos moralismos. E disparates. O maior dos quais é isto "ser apelativo ao sexo". Como se a ignorância fosse preferível à informação. Pelos vistos, para muita gente, é.

Anónimo disse...

Não considero o filme apelativo à prática de sexo, e considero inclusivé que quem julga tal coisa, está a ignorar o seu propósito e a distorcer o seu significado. Contudo, julgo que mais do que cruas, algumas imagens e expressões são totalmente desnecessárias e não correspondem exactamente à verdade, que penso ser o propósito central da película.

Anónimo disse...

Acho que o filme está bastante agressivo no que diz respeito ao acto sexual em si.Foca assuntos sem interesse absolutamente nenhum,tais como os gemidos e as caricias entre o casal.Esta mensagem deve ser passada mas não com esta agressividade de imagens.

Miguel Fernandes disse...

Boa noite.
Sou pai e achei muito interessante a metodologia: preparar a abordagem de um tema difícil, discutí-lo em família (atitude válida para todas as matérias).
Parece-me, por outro lado que os pais precisam de saber qual o nível etário e de desenvolvimento de uma criança apropriado para ver e falar sobre esta animação. Já agora gostaria de saber a opinião da "equipa". Há certamente uma faixa etária alvo e mais apropriada.

Claymore disse...

Desde já, os meus parabéns ao canal 2: que tem nos últimos tempos, ganho um lugar cada vez mais forte na qualidade de serviço publico ao contrário dos outros canais.

Sou um jovem de 23 anos, vivo a minha vida e tenho experiência no mundo juvenil e sei que os miúdos hoje em dia perguntam, não porque se fala no sexo cada vez mais, mas porque simplesmente têm curiosidade em saber o que afinal de contas é, e é esta curiosidade que deve ser respondida o mais rápido possível!!! Devemos "matar" esta curiosidade o mais cedo possível, explicando aos mais pequenos, para que desde pequeninos, eles compreendam o que o acto sexual é, o que envolve e precisamente para evitar que comecem a ter relações sexuais de forma tão precoce e irresponsável. É imporante que as crianças actuais, compreendam a sua sexualidade para que não a estraguem e a preservem para as alturas certas e correctas.

É verdade que existem certas coisas nos filmes como "penis duro" e "vagina molhada" que poderão ser demasiado fortes, mas pergunto se ao saberem já isto de antemão, não será uma forma de acabar com a curiosidade já de inicio.

ruimarques disse...

parabens pelo programa e pelo debate,a ver pelos comentários os velhos do restelo ainda existem.

Anónimo disse...

É preciso lembrar que o filme não pretende substituir, creio eu, o papel dos pais na educação e esclarecimentos sobre a vida sexual ... é apenas uma ferramenta que deve ser utilizada em conjunto e qualquer duvida que o filme possa lançar deve ser esclarecida pelos pais ! O filme permite o debate e reflexão entre pais e filhos, é esse o seu grande trunfo !

Luisa disse...

tantas posições nuns segundos?! será que não dá às crianças uma ideia errada????

Fernanda disse...

Em minha opinião o sexo é algo de alta responsabilidade. Não é brincadeira. Este filme infelizmente ultrapassa os limites da informação que uma criança desta idade necessita. Um adolescente não tem responsabilidade de assumir uma família ou um filho, então não tem responsabilidade para fazer sexo.

Daniel Afonso disse...

O propósito de mostrar o "assunto" ás crianças na TV é não fazer do sexo um fruto proibido.
Todos sabemos o quanto é fácil ver pornografia na internet ou nos filmes depois das tal e tal da noite.
Por isso, mais vale (como reza a sabedoria popular das novelas!) sermos nós a dizer (neste caso a mostrar), por vontade própria, em vez de eles saberem através de Deepthroat 3 ou lá os nomes que eles dão aos "filmes" hoje em dia.
E joão lopes... As crianças após verem este filme NÃO vão realizar orgias. Só a REPRESSÃO leva a tais estupidezes.

Diana disse...

Portugal está sim preparado para estes filmes, aliás, Portugal já há muito que deveria ter abordado em fundo este tema! Talvez evitássemos que crianças abusadas (escândalo da casa Pia) ficassem caladas. As crianças são seres que estão a crescer e é verdade que este tema lhes faz muita confusão. Têm que ser esclarecidas e visto a televisão ser alvo de grande assistência infantil, deviam passar informações relevantes deste tipo. Penso que a iniciativa está bastante bem, quem me dera a mim ter tido informações destas quando era muito mais nova.

Diana

Anónimo disse...

Se as crianças perguntam, os pais devem responder. Se a questão for do teor sexual, um "não sei", um "és muito novo(a) para isso" ou ir buscar a cegonha que já nem voa de tão velha é um grande erro. Agora é difícil usar as palavras certas para tão difícil tema, mas é preciso responder de uma forma adaptada à idade das crianças.

Hoje em dia os jovens começam cada vez mais cedo na vida sexual, e é importantíssimo que recebam educação sexual apropriada para a sua idade à medida que crescem. O sexo já não é um tabú na nossa sociedade e começando desde muito cedo, como é o caso deste "filme educacional" é que vamos diminuir em parte as relações desprotegidas que os jovens se submetem por falta de educação sexual.
Considero este projecto excelente para incentivar e aumentar a educação sexual nos mais jovens.

Mariajvilaca disse...

O que me choca mais no filme é a forma como são encontrados os critérios para avaliar o que é certo ou errado. Ou seja, na realidade o que acontece é que se passa duas mensagens que eu considero graves. A primeira, claramente hedonista: se te sentes bem é porque é certo. A segunda, claramente relativista e indiviualista, indica que o critério é o subjectivismo individual da criança. Finalmente gostaria ainda de dizer que este filme me parece um "pacote de informação" desnecessário. Pergunto como é que o mundo chegou até aqui sem estes filmes que explicam claramente mais do que as crianças querem saber??

Rita disse...

Gostei do filme, vou revê-lo com as minhas filhas de 7 e 8 anos. No entanto, estranhei que não tenha sido referida a masturbação.

Nuno disse...

Boa Noite
Ainda não somos pais, mas vemos este assunto com todo o interesse e preocupação que merece da parte de todos - pais e não pais.
Consideramos o filme muito esclarecedor, na linguagem e na forma de abordar o tema. Talvez também fosse importante introduzir a temática da prevenção - métodos contraceptivos - embora aceitemos que isso possa estender demasiado o filme, e possa fugir ao objectivo principal.
É importante, sobretudo, que os pais não se sintam pressionados a contar aos filhos o que é a educação sexual, mas saibam antes "sentir" a curiosidade dos filhos e o seu grau de entendimento. Um bom exercício será devolver a pergunta às crianças (O que é que tu pensas sobre que é sexo/fazer amor/etc) para compreendermos também o que elas sentem acerca do tema, e sabermos, assim, o que é que pode ser explicado, e como.
A 2 está sem dúvida de parabéns pela iniciativa; mostrar ou não o filme às crianças, depende unica e exclusivamente dos pais, da sua responsabilidade e bom senso, e decerto encontrarão a resposta àquela pergunta se conhecerem suficientemente bem os vossos filhos.
Nuno e sara

Nuno e Sara disse...

Boa Noite
Ainda não somos pais, mas vemos este assunto com todo o interesse e preocupação que merece da parte de todos - pais e não pais.
Consideramos o filme muito esclarecedor, na linguagem e na forma de abordar o tema. Talvez também fosse importante introduzir a temática da prevenção - métodos contraceptivos - embora aceitemos que isso possa estender demasiado o filme, e possa fugir ao objectivo principal.
É importante, sobretudo, que os pais não se sintam pressionados a contar aos filhos o que é a educação sexual, mas saibam antes "sentir" a curiosidade dos filhos e o seu grau de entendimento. Um bom exercício será devolver a pergunta às crianças (O que é que tu pensas sobre que é sexo/fazer amor/etc) para compreendermos também o que elas sentem acerca do tema, e sabermos, assim, o que é que pode ser explicado, e como.
A 2 está sem dúvida de parabéns pela iniciativa; mostrar ou não o filme às crianças, depende unica e exclusivamente dos pais, da sua responsabilidade e bom senso, e decerto encontrarão a resposta àquela pergunta se conhecerem suficientemente bem os vossos filhos.
Nuno e sara

Miguel Soares disse...

Acho piada à sra. que ficou chocada pela "nudez" das imagens e pelo "sangue" da menstruação. Lamento informa-la mas sem sangue não há menstruação, e sem um mínimo de nudez não há sexo. Ou se quer informar com clareza e sem falsas ideias, ou não. A sra. Neto definitivamente esta contra a informação correcta e clara. Parabéns à RTP por pensar de modo diferente.

Fernanda disse...

cara senhora rita, não fiz nenhuma crítica a si, então respeite-me a mim e aos outros. Dê alguma opinião referente ao assuno e esqueça da minha. O que é mais ridículo? Apelar para a inocência ou refutar com desrespeito a opinião alheia?

Filipa disse...

Sexualidade...mera técnica? Descontextualizá-la da aprendizagem do respeito mútuo, do crescimento pessoal e interpessoal, da doação de um amor maduro que sabe ter-se para se dar... não é desumanizá-la? A abertura para falar de sexo às crianças nunca pode ser assim: separado do amor.

Ana disse...

Boa noite, tenho 23 anos e ñ tenho filhos, mas tenho uma afilhada de 8 anos que passa mto tempo cmg. É mto provável q amanhã veja o filme com ela, se bem q ache algumas cenas um tanto ao qto excessivas tb. Mas ñ estou nada de acordo com o Sr. José Silveira nem com a Sra. Fernanda. Para falar a verdade duvido que estas pessoas falem abertamente com os seus filhos acerca da sexualidade e de como se fazem os bébes. Os meus pais nunca me falarem nesse assunto e eu própria sempre tive pudor em perguntar e acho q ñ deve ser assim!!! Na verdade qdo dentro das nossas próprias casas ñ nos elucidam é d louvar q a RTP com o seu serviço público auxilie os pais e encarregados de educação nestes aspectos. Continuem assim.

NuNo RaMoS disse...

parece me a mim algo excessivo a abordagem pelo filme, tenho 21 anos e estudo psicologia e vi algumas cenas que me pareceram bastante fortes, acrescento que à estudos cientificos que comprovam que experiencias sexuais precoces provocam danos, tal como o arrependimento!!!

mariana disse...

eu achei as posições giras. talvez os pais chocados digam que as imagens são chocantes - mas acho que isso é por verem só a "maldade".
eu, ao ver essas cenas, só vi a ternura, os olhinhos dos desenhos ao fazer amor, a sensação de carinho, amor e alegria.
fazer amor é um acto de alegria, não um sacrifício - daí a alegria do casal a fazer amor.

Maria disse...

A Drª.Margarida Neto, quereria naturalmente que as raparigas tivessem que esconder o facto da existência da menstruação, como acontecia há uns anos!...Era uma situação de mistério. E esquece-se que há crianças que com 9/10 anos já são menstruadas. Como lidar com os colegas?
Os meus filhos desde cedo se aperceberam deste facto. A minha filha quando lhe apareceu a menstruação, a preocupação dela foi pedir ao Pai que lhe trouxesse mais pensos, pois tinha receio de precisar mais do que aquilo que tinha!...Sem medos, sem tabús!
Parabéns DrªFernanda Freitas pelo programa.
Maria (Póvoa de Varzim)

Fernanda disse...

Senhora rita... o que tem contra missionários? O assunto aqui é outro! Enquadre-se faz favor!

Anónimo disse...

A educação dos filhos deve ser aberta mas suportada e esclarecida. Cada criança tem o seu ritmo, as suas fases e não concordo que a televisão como veículo de transmissão de informação aberto, transmita este tipo de filmes, criando a possibilidade de serem vistos sem apoio ou esclarecimento. Não podemos ter a pretensão de que todos os pais vão estar a ver o filme hoje, para amanhã decidirem se permitem e acompanham o visionamento. Trata-se de uma pretensão que não corresponde à realidade. Amanhã 10% dos pais intervirão na possibilidade dos seus filhos verem o filme e 90% dos pais não sabem o que estará a dar no canal 2 ou não estarão ainda em casa com os filhos. Parece-me claramente uma apresentação de planeamento de exibição de um filme, que na prática nunca poderá ser acompanhada dos cuidados que pretendem transmitir aos telespectadores. Como tal, o debate que está ter lugar é meramente teórico e só será aplicado a uma pequena percentagem dos espectadores. O resto será um visionamento anárquico e com efeitos negativos.
João Fernandes

Anónimo disse...

Também considero que há imagens e frases um tanto ou quanto gráficas de mais. Contudo,e apesar não ser ainda mãe, sei que preferia que os meus filhos tomassem contacto com estes factos aqui do que através de séries como os "Morangos", por exemplo, onde a sexualidade é banalizada a um nível extremo. Por muito que se possam considerar algumas das imagens um tanto desnecessárias (como já referi), elas estão à vista de todos, miúdos e graúdos, de forma gratuita e banal em diversos programas de televisão, publicidade e etc. Concluindo, creio que, grosso modo, este é filme bem conseguido e importante para a educação sexual das crianças.

Maria

Paulo Pinto disse...

"Imagens cruas", diz a dra. Margarida? Estarei a ouvir bem? Credo! Menstruação são "imagens cruas"? um casal a fazer amor são "imagens cruas"? Em desenhos aimados destes? Devo estar a sonhar. As imagens dos noticiários, dos massacres, do Darfur, da Iraque, de tantas reportagens sensacionalistas da televisão, ao vivo, a cores e em directo, às 8 da noite, sem pré-aviso nem debate, banais e repetidas,não são "cruas"? Já vi que não. Eu é que devo ter a minha pirâmide de valores invertida.

profciencias disse...

Sou professora de Ciências da Natureza, 6º ano, pelo que trabalho com alunos de 11/12 anos.
Estou neste momento a trabalhar a Transmissão da Vida/Educação Sexual no âmbito de um trabalho interdisciplinar que aborda aspectos essenciais como "A Descoberta do EU", "EU e os OUTROS" e "À Descoberta do Corpo", preparando os alunos para este tipo de flimes, muito simples e esclarecedores. Informa e PREVINE situações de risco.
Aos 11/12 anos as dúvidas são muitas e a vontade de saber ENORME.
Lamento que o dossier "A adolescência e TU", elaborado pela ausónia para o 2º ciclo tenha deixado de ser distribuído nas escolas.
TB
Braga

Manuel Damião disse...

o casamento tem algum lugar nesta trama educacional?

Anónimo disse...

Este filme é inacreitável quando se pensa em mostrá-lo a crianças de 7 anos. A mensagem é clara, mas demasiado clara. Mistura muitos temas, mas de maneira desajustada. Todos estes temas podem e devem ser tratados no devido tempo. A primeira e principal responsabilidade para isso é dos pais. Parece-me que o filme está mais preocupado em transmitir uma ideologia tendencialmente dominante, ou forçar uma mensagem do que na realidade esclarecer crianças para a educação sexual

Anónimo disse...

Este filme mais parece um manual de kamasutra.Poderia abordar o tema dos contraceptivos, tão importante para os jovens de hoje?
As imagens são muito agressivas e a atenção das crianças não será canalizada para a mensagem mas sim para a frieza das imagens.
Acho no entanto que este tema deve ser muito abordado tanto em casa como na escola mas de uma maneira mais natural.

Olga Soares disse...

Qualquer pai ou mãe já deve ter sido confrontados com dúvidas acerca da menstruação, não acho as imagens chocantes visto que a criança que vai assistir a este filme á deve ter algumas bases; se assim não fôr o erro já vem dos pais.
Olga Soares

mariana disse...

ah, e já agora:

as posições são fantásticas. os filhos percebem a mensagem de prazer que poderão ter quando um dia, sendo crescidos (os desenhos dizem isso!), ao fazer amor com a pessoa que escolherem. já para os pais, pode dar excelentes ideias... ehehe!

Flurin disse...

Tendo sido criado num ambiente com muito bom senso e sem tabus caracteristico dos paises nordicos, acho que existe um handicap da parte dos pais portugueses para falar do tema sexualidade. Reacções comos as deste post, em que há um sentimento de excesso se linguagem no filme, são sintomáticas de um problema que reside nos pais e não nos filhos. O sexo é o acto mais importante e natural do ser humano. Deve ser tratdo como qualquer outra aspecto das nossas vidas. Eu sou hoje um homem de 28 anos que pode sempre perguntar o quer que fosse aos meus pais e estes sempre, de acordo com a minha idade na altura, respondiam me sempre com sensibilidade e muito carinho.

Isto acontece há mais 20 anos em paises da europa central e do norte. Não será que os pais tambem precisam de formação sexual????

Anónimo disse...

Se a principal fonte e o principal contexto da educação sexual é a família no seu quotidiano no modo como estrutura as relações pessoais e como se refere à vida relacional dentro e fora da família como aceitar um filme com estes conteúdos frios e explícitos?
Como mãe não aceitaria que a escola apresentasse um filme destes a adolescentes antes dos seus 12 anos.
O professor Daniel Sampaio tem que saber ouvir as ideias das outras pessoas sem ser indelicado e ofensivo como neste debate.

Teresa

Anónimo disse...

Quem quiser ver o filme com os seus filhos , que o faça . Acho que será uma boa forma de explicar muita coisa .
Agora o que não me parece muito normal é que este tipo de "educação" exista nas escolas . As escolas têm um papel que não é esse , que cabe às famílias . As escolas devem ensinar as crianças o que lhe compete : a nossa língua , a matemática , as ciências , a história , etc . A educação sexual deve ser deixada ao cuidado dos pais e não de alguém cujas opiniões e práticas sexuais não conhecemos . A APF que se preocupe em dar lições aos pais menos cultos e não aos filhos . A única educação sexual que deve existir na escola é a que todos nós tivemos , que explica o funcionamento dos orgãos reprodutores . O resto cabe aos pais e a mais ninguém .
Carla Ferreira

isabel disse...

Este filme só será visto pelas crianças apenas se os pais assim o entenderem. O mesmo não se poderá dizer de muitos outros filmes, com cenas mais ou menos explicitas de sexo, que passam na televisão a horas que escapam ao controlo dos pais.

aLqUimISta disse...

Boa iniciativa...apesar de achar que existem imagens no documentário que podia ter sido evitadas como por exemplo o acto sexual entre os dois adultos...

Mas no geral a minha análise é positiva...e parece que é uma boa ajuda para os pais.

Luis

Vanda disse...

Não obstante ser leitora do Dr. Daniel Sampaio, estou perfeitamente de acordo com a Dra. Margarida Neto. Tenho dois filhos com 7 e 10 anos e considero que precisamente as imagens que a Dra. Margarida focou são cruas, citando, para não dizer, no caso das posições sexuais, chocantes. Julgo que precisamente para esta faixa etária a chamada "posição papá - mãmã" seria suficiente. Julgo ainda que os temas de abuso sexual e gravidez na adolescência surgem de forma extemporânea, imperceptível por crianças destas idades senão bem suportados no imediato pela explicação dos pais.

Anónimo disse...

Gostaria de denunciar aqui uma campanha de e-mails que está a ser lançada por um movimento de extrema-direita (MOVE) para que as pessoas escrevam ao provedor da RTP a pedir a censura deste filme. Creio que é um dever dos pais e mães responsáveis, que claramente apreciaram o filme e o trabalho da RTP, fazerem o oposto, escrevendo a elogiar a exibição do filme. Já não estamos no salazarismo!

João Alves - Braga

Anónimo disse...

Os meus parabéns à rtp 2 pela coragem de debater este assunto que tanto melindra pais e professores. Quanto ao filme, não vejo nele qualquer tipo de "imagens cruas", como foi referido. É bom notar que este tipo de imagens entram pelos nossos ecrãns varias vezes ao dia com ou sem o consentimento dos educadores. É um filme bem estruturado que ajudará muita gente a explicar e a desmistificar os tabus em torno do sexo.

muito obrigado!

andré fernandes

SabiiiTuuudo disse...

quanto mais se esconder e menos se falar, mais a natureza agirá por ela própria...antes aprenderem a falar com devem, do que deixar-se aprender erradamente com os pares

Ricardo disse...

Como é que poderemos obter o filme, caso não seja possível assistir ao programa amanhã?

Anónimo disse...

Concordo com o que disse a médica psiquiátrica. A imagem da menstrução é estranha, como algo que inclusive pode ser repudiada pelas meninas que estão prestes a saber o que isso é. Quanto às cenas de sexo, acho que não há necessidade. Tenho crianças de 7 a 9 anos na família e não considero que sejam essenciais para a compreensão do que é o sexo. Além disso, havendo amor... há tempo depois para descobrir. Da mesma forma que não se falou uma única vez de contracepção, também não valia a pena explorar o tema com aquelas imagens. Estou convencida que serão precisamente essas imagens que farão com que certas famílias não vejam o filme com os seus filhos.

Anabela disse...

Concordo com a Drª Margarida e discordo do Dr. Daniel, pelo seguinte motivo: este filme pretendia ser apoio para os pais que não sabem ou tem dificuldades em explicar como nascem os bébes. Ora se eu, que até tive algum à vontade para falar com o meu filho de 8 anos, sobre a sexualidade, fico relutante em ver com ele o filme, devido às tais cenas de sexo, como ficarão aqueles que não estão à vontade na matéria? Acho que não ver o filme por causa destas cenas, o que quanto a mim é uma pena e é uma oportunidade que se perde. Acho que devem pensar na grande maioria dos portugueses que estariam à espera de ter um bom instrumento de educação.

alice Martins disse...

Parabens
Sou enfermeira, trabalho na área da saúde escolar e acho este filme excelente nos conteúdos que aborda e na forma simple com que passam as mensagens. Já passei este filme várias vezes nas escolas, no entanto ele tem que ser trabalhado em grupo com as crianças/adolescentes para que realmente alguns assuntos ou imagens não fiquem deturpadas nas crianças/adolescentes.
Mais uma vez parabéns por esta iniciativa

Rui Lopes disse...

Sou professor de Ciências da Natureza de alunos desta faixa etária! Gostei imenso do filme e acho-o uma ferramenta interessantíssima, que de uma forma clara e muito completa aborda este tema tão delicado. Embora não fale de todos os temas pode ser um bom ponto de partida para pais e professores abordarem o tema. Discordo que este tipo de filmes estimulem a sexualidade.
Parabéns à RTP por este iniciativa.

Rui Lopes

Luisa disse...

... não concordo com o professor Daniel Sampaio ao dizer que não tinha cabimento aqui falar de métodos anti-concepcionais; não é ele que diz que os problemas da adolescência se previnem na infância?... as crianças veêm publicidade sobre preservativos e colocam dúvidas sobre a sua função; não será uma boa oportunidade para tentar fazer logo na infância prevenção da gravidez precoce?

Anónimo disse...

O Dr. Vasconcelos devia dizer que dados e estudos lhe permitem dizer que falar assim do sexo não aumenta o seu consumo. Ele que explique o que tem acontecido por esaa Europa e pelos Estados Unidos

Mariajvilaca disse...

Sobre a questão dos critérios para para ajuizar do certo ou errado, do bem ou do mal, posso sugerir que uma fomra de explicar às crianças o que está certo e o que está errado é introduzi-las à noção do "sentido". Para que serve um corpo? - o corpo revela a pessoa que somos; para que serve a sexualidade? - serve para permitir a união entre duas pessoas, que seja a expressão do dom da sua pessoa um ao outro. Será que devemos usar as pessoas como coisas que nos dão prazer, só porque nos dão prazer? Ou será que é mais correcto usarmos a sexualidade com o sentido que ela tem?

António disse...

não percebo como é possível as pessoas condenarem quando se procura fazer algo positivo. é precisamente esse o motivo de todo o marasmo em que vivemos. acusam filmes como este como sendo causadores das estatísticas inglesas, quando a realidade não é outra senão o abandono dos pais. quantos de nós preferimos abandonar os assuntos incómodos, delegando para os outros essa responsabilidade. não podemos exigir das crianças e dos jovens nada que não seja a nossa responsabilidade. não podemos condenar quem nos trás este filme, ou outro qualquer. porque é nosso DEVER como educadores apoiar, explicar e ensinar as crianças, e não esconder nada. as crianças deparam com sexo, violencia, mentira, hipocrisia e pior todos os dias, e ninguém lhes esconde isso. cabe-nos acompanhar para que elas percebam e sejam autónomas no sentido de saberem lidar com tudo o que encontram no dia a dia. Vejam por vós próprios: ensinamos os motivos e as formas de fazer a guerra, e ocultamos tudo sobre fazer amor!

SabiiiTuuudo disse...

quanto mais se esconder e menos se falar, mais a natureza agirá por ela própria...antes aprenderem a falar com quem devem, do que deixar-se aprender erradamente com os pares

Anónimo disse...

Somos um casal de professores de biologia e, ao contrário da apresentadora, afirmamos que o filme contém vários erros científicos que podem induzir em erro a mensagem que se pretende transmitir... No entanto, parabéns pela iniciativa.

Anónimo disse...

Somos um casal de professores de biologia e, ao contrário da apresentadora, afirmamos que o filme contém vários erros científicos que podem induzir em erro a mensagem que se pretende transmitir... No entanto, parabéns pela iniciativa.

Anónimo disse...

boa noite,

1 - Tenho tentado e gosto de responder com cuidado às perguntas do meu filho de oito anos (que não vê muita televisão) à medida que surgem: por princípio gostava que ele visse o filme, mas tenho medo que este antecipe informação, como por exemplo em relação ao abuso sexual, criando alguma confusão e medo na sua cabeça. Ainda por cima ele é bastante sensível em relação ao tema da sexualidaede, procurando satisfazer alguma curiosidade, mas não aceitando explicações demasiado extensas ou complexas.

2 - devo assistir ao filme com ele, o que pode embaraça-lo, ou será melhor deixar-lhe algum espaço para assistir sozinho e responder a alguma questão depois?

AN

mariana disse...

a dra. neto é incrível!
é contra tudo, é contra a divulgação, é contra o aborto, é contra a explicação do corpo...

credo! ó senhora, o medo é a melhor arma do abuso e da gravidez indesejada!

Marta Ramos disse...

Aqui fala-se em dar a informação as crianças, porque é melhor dá-la assim com acompanhamento do que ser apanhado desprevenido por um filho que já ouviu de tudo pelos amigos... e pela televisão. Eu pergunto: em vez de se abordar temas assim tão explícitos em idades precoces como os 7-11 anos para remediar a tamanha informação que recebem da televisão, não seria mais adequado fornecer programas alternativos (mas também apelativos) para evitar que eles vissem programas como, por exemplo, os 'morangos'?
Parece-me que se não tiverem essas informações precocemente, não pensarão em questões como relações sexuais também precocemente (relações aos 7-11 anos são precoces. aos 15 também, aliás)

Nós (os de 25 anos) víamos Tom Sawyer e As mulherzinhas. Nunca senti falta, nem eu nem as minhas amigas, de falar de relações sexuais até entrar na adolescência, lá para os 14 anos quando os rapazes nos começaram a interessar.
E definitivamente não tivémos que começar as nossas relações com eles pelas sexuais. Os beijinhos chegavam... só mais tarde...

ANA disse...

OLÁ
SOU EDUCADORA INFANTIL E PROF DO 1.º CICLO E COMO TAL, POR MAIS QUE OS PAIS ACHEM QUE ESTAS IMAGENS SÃO CRUAS, SÃO ESTAS, REALMENTE, E POR VEZES MAIS PORMENORIZADAS, QUE AS CRIANÇAS CONHECEM. LIDO COM ISTO DIARIAMENTE.
ESTOU DE ACORDO COM O QUE DISSE O DR VASCONCELOS. LEMBRO-ME DE, CONFORME A IDADE ÍA AVANÇANDO, A MINHA MÃE EXPLICAR PORMENORES ADEQUADOS À IDADE. INCLUSIVÉ LEMBRO-ME DO DIA EM QUE EU E O MEU IRMÃO ENCONTRÁMOS UM TAMPÃO NO ARMÁRIO DO WC. POR TUDO TER SIDO EXPLICADO NA ALTURA CERTA,E DE TER TIDO OS PRIMEIROS LIVROS DE EDUCAÇÃO SEXUAL EM CASA, TENHO A NOÇÃO QUE O FACTO DE TER FEITO AMOR PELA PRIMEIRA VEZ E SÓ AOS 21 ANOS (A TOTÓ DA FACULDADE) COM O MEU MARIDO DEVE-SE A ESTE PORMENOR.
NÃO FOI POR TUDO SER EXPLICADO NA HORA E COM PORMENORES QUE DESATEI A FAZER SEXO DESENFRIADO.
OBRIGADA
ANA

Anónimo disse...

Parece-me importante informar os responsáveis do programa (caso não o saibam já) que o MOVE enviou ao fim desta tarde o mail que a seguir transcrevo e que, como se percebe pela leitura, dá "instruções" aos seus associados para reagirem ferozmente contra o filme em causa. Aqui está o tal mail:

Filme sobre "educação" sexual - Comunicado



A RTP2 vai exibir hoje, pelas 23h30 e numa edição especial do programa Sociedade Civil, “um filme de 17 minutos sobre educação sexual, destinado a crianças entre os 8 e os 12 anos. Trata-se de um filme de animação, co-produzido por dinamarqueses e canadianos, concebido com o maior cuidado pedagógico.” (informação fornecida pela RTP2)



O MOVE viu este filme pela primeira vez há um ano, na sequência de uma queixa de uns pais cuja filha frequentava o 4º ano e tinha 10 anos. Ao chegar a casa, a menina afirmou: “Eu nunca vou ter bebés na minha vida!”. Alarmados, os pais conseguiram perceber que o filme que hoje a RTP2 nos mostra tinha sido mostrado na sala da filha.



Na altura, o MOVE pediu uma opinião profissional sobre o filme a alguns especialistas, entre os quais a Dra. Margarida Neto que hoje estará presente no programa. As opiniões foram unânimes: o filme nunca deveria ser mostrado a crianças destas idades; revela uma total ausência de sentido de privacidade ou de pudor; trata-se de um vídeo desadequado, que não serve o propósito de uma educação sexual positiva, que se quer sobretudo como educação dos afectos, para a responsabilidade, maturidade e felicidade dos nossos filhos.



A RTP2 mostra hoje o filme a uma hora tardia para dar aos pais a possibilidade de o verem e avaliarem se o querem mostrar aos filhos. Aqueles que não desejarem que os seus filhos o vejam, deverão garantir que amanhã, pelas 20h15, a televisão não esteja sintonizada na RTP2.



Esta atitude da RTP2 seria de louvar se a RTP2 conseguisse garantir que as únicas crianças que amanhã verão o filme serão aquelas cujos pais assim o desejem. E isso é impossível de garantir!



Amanhã, pelas 20h15, muitas crianças de várias idades e até mais novas que os 8 anos estarão a ver a RTP2. O horário é o habitual para outros programas destinados aos mais novos. Mas os pais de muitas destas crianças não sabem nem sonham com o programa que os seus filhos estarão a ver!



Os especialistas concordam que a educação sexual não se faz em massa, que está associada a diferentes ideologias podendo portanto ser contrária às convicções de alguns. A única componente da educação sexual universalmente aceite é a biológica e científica. Este filme não se limita a isso e portanto não deveria ser mostrado na televisão neste horário.



Pedimos assim a todos os pais que entendam que o filme não deverá ser mostrado amanhã, que o manifestem à RTP2 ou para

http://www.rtp.pt/wportal/grupo/provedor_telespectador/contactos.php



Mais uma vez o MOVE salienta junto dos Pais a necessidade de se envolverem em tudo o que diz respeito aos seus filhos, em todos os aspectos da sua formação.



Ao ser mostrado amanhã, este filme e a RTP2 prestam um mau serviço aos pais e filhos portugueses.

31 de Maio de 2003

Pelo MOVE – Movimento de Pais



Ana Líbano Monteiro

Isabel Carmo Pedro


Tel: 934 600 075


http://www.move.com.pt

Pedro disse...

Falamos hoje em dia de liberdade a todos os niveis! Não controlamos o que os nossos filhos vêm! são bombardeados todos os dias com cenas, comentários, imagens, etc... portanto o melhor que podemos fazer é tentar explicar as perguntas que fazem sem fechá-los em tabus!!!

Anónimo disse...

Achei muito interessante o filme "Então é Assim" e recomendo a todos os pais para verem o filme com os seus filhos. Eu vou ver com o meu filho. Sempre tive conversas com o meu filho sobre sexualidade. Estou a gostar especialmente do Prof. Daniel Sampaio.

Anónimo disse...

O filme poderia abordar com mais singeleza um tema tão delicado.

Rosa disse...

Boa Noite, PARABÉNS RTP 2
Cumprimentos aos convidados e em especial à Dra. Fátima Forreta.
Então è assim...Que mal tem as relações iniciarem Precocemente, se assim for o seu desejo!???, e o que podemos defenir como precoce. Parece-me que o mais importante será que, quando esses jovens inicarem a sua vida sexual, o façam conscientes, informados e de forma responsável, por forma a minimizarem os riscos inerentes, nomeadamente ao nível da prevenção das IST's e das gravidezes indejesadas.
Obrigada!
Rosa

Claymore disse...

Na minha opinião, é o que eu disse no meu comentário anterior.
Devemos acabar com a curiosidade o mais rápido possível, para que as crianças não desenvolvam a curiosidade e a vontade de descobrirem o mundo sexual de forma desequilibrada e desacompanhada.

Lembrem-se que a melhor defesa, é o ataque, e ao atacar esta curiosidade sem medo é uma boa forma.

Todas as crianças entram em contacto com o sexo na televisão, na internet e desengane-se os pais que pensam que o filho é um santo, pois de certeza que a maior parte deles já entrou em contacto com o sexo pela TV ou pela Internet. Preferem que os vossos filhos descubram o sexo pela pornografia da internet ou preferem ser vocês a explicar o que é o sexo ou o que é a masturbação? Acho que é preferível serem vocês a explicar para que não apanhem desilusões mais tarde. Nunca se deve reprimir isto, esse foi o grande erro da geração dos meus pais e olhem o belo resultado, adolescentes grávidas e uma geração pouco instruída e insegura à cerca da vida.

Rita Barros disse...

sra. d. fernanda:
é por estas e por outras que defendo a educação sexual. assim, não teria que passar vergonhas:

os missionários vêem a propósita da posição de missionário, que á posição sexual mais vulgar, em que o homem está deitado em cima da mulher.

Alexis disse...

Acho bastante postivo que haja este tipo de iniciativas. Apesar da situação estar a melhorar, falar de/sobre sexualidade ainda é bastante "tabu".
Acho que, mais do que falar apenas dos factos biológicos/anatómicos (que também são importantes) se deve falar de sexualidade.

Apenas um reparo. Bem sei que o objectivo principal deste filme era falar sobre bebés, mas não se falou uma única vez que há pessoas que não seguem bem a "norma" heteronormativa imposta socialmente. Convém não esquecer que cerca de 10% da população não segue essa dita "norma heterossexual".

Pedro G disse...

É tão grave o espermatozóide não perder a cauda. E no caso do cordão umbilical a ser cortado, só levar um clamp é normalíssimo?!
Sabem do que estão a falar??

Anónimo disse...

O Dr Sampaio está arrogante, a puxar dos galões e nem permite que na mesa alguém pense diferente. Será que é por ter sido dessa opinião antes de ser pago para opinar sobre estas coisas?

Figueiredo disse...

Depois de tudo o que ouvi até agora chego infelizmente a conclusão que primeiro a RTP deveria passar pela educação de alguns adultos, isto é, ensina-los a ser pais e sem tabus. E depois, sim estavamos todos aptos a ver este filme tão simples e sem nenhum horror.

J Miguel Silva disse...

Parabéns pela iniciativa e pelo modelo (mostrar primeiro aos pais para que avaliem se os filhos devem ver).
A utilidade do filme parece-me evidente, principalmente se acompanhado pelos pais, e conversado posteriormente. O tema deve continuar depois, entre pais e filhos.
Os temas ligados à intimidade não são obrigatoriamente de abordagem fácil nem para os pais nem para os filhos, pelo que a estruturação pelo filme pode ajudar muito.

RIC disse...

Porque será que custa tanto aos portugueses pensar e amadurecer?
Parabéns a Daniel Sampaio! Expectável.

J. Ricardo M. - Lisboa

Pedro Gomes disse...

Não será descriminatório não prever relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo?

António disse...

Acho interessante que se traga a informação, mas penso que algumas cenas são grosseiras.

A Graça

Olga disse...

A melhor forma de assistir a este filme é encarar a sexualidade como algo natural e não algo impuro ou obsceno.
Mas, insisto, as crianças devem ter bases, não podem assitir a este filme sem ter, anteriormente, bases dadas pelos pais.
Olga Soares.

Anónimo disse...

O que não se deve ver é o debate que está a decorrer, se o Professor Daniel Samppaio tem ronblemas para resolver com a Dra resolva-os lá fora, assim não está a ajudar nada ao debate.

carlos

isabel disse...

Tenho uma filha de 10 anos e desconheço que a sexualidade tenha alguma vez sido abordada na escola.
Felizmente tenho bastante abertura para discutir estes assuntos com ela. A dificuldade nunca foi dizer como nascem os bebés mas sim explicar o coito. Este filme parece-me uma boa maneira desde que seja partilhado e falado entre pais e filhos.

Vanda disse...

Fernanda Freitas, Julgo que deve por termo à agressividade que o Dr. Daniel Sampaio teima em ter com a Dra. Margarida Neto. O seu programa não está assim a ter o objectivo que pretende nem tão pouco a ser pedagógico.

carla disse...

Parabéns à RTP2 e ao sociedade civil!
Excelente este filme! directo, adequado, e bom instrumento para todos os pais/ famílias.
Todos os assuntos abordados de forma natural e até divertida!
Parabéns mais uma vez!

Fernanda disse...

em relação ao que o sr. paulo pinto falou. Concordo! Não deveriam nem ser mostradas cenas das que vemos cotidianamentenos telejornais etc, mas também não concordo com as imagens um tanto explícitas que foram mostradas na rtp.

Andreia 29 anos disse...

Embora possa aceitar o interesse do filme, parece-me excessivo e desnecessário o relevo dado à penetração. A sexualidade não deve ser vista como tendo o ponto alto a penetração.
A solução apresentada de desligar a televisão não me parece sensata porque sabemos que o assunto será falado e por isso temos que conhecer para poder falar.
A aprendizagem sexual é diária e parece-me este "pacote" de informação de uma só vez é desadequada.

Anónimo disse...

Eu na primária já via jogos de computador com actos sexuais, que me eram mostrados por primos rapazes 2 anos mais velhos do que eu...pelo que acho que o filme não é nada escandaloso...e as crinças podem muito bem aceitar...aliás até sendo visto com os pais pode criar um diálogo entre pais e filhos.

Rita, Lisboa

Anónimo disse...

O que mais me choca não é um filme destes com acompanhamento dos pais, o que me choca é 95% dos meus alunos terem televisão no quarto, poderem ver todas as novelas e todos os filmes até às 2 da manhã sem que os pais façam alguma coisa...

Anónimo disse...

O critério de ser bem ou mal é o gosto da criança, tal como está dito no filme? A criança pode ser violada por um adulto desde que se sinta bem? Está tudo doido?

Anónimo disse...

Muito boa noite e parabéns pela iniciativa.
Gostaria só de referir que em termos científicos existe um erro, contudo, para a faixa etária a que o filme se destina não é muito relevante. O erro é referente à designação dada ao óvulo. Apenas se designa óvulo à célula depois desta ser fecundada, antes designa-se de ovócito.

cesar silva disse...

começo a achar que há umas quantas pessoas que aqui deixaram as suas opiniões que deviam ter visto este filme na sua adulescencia, falando por mim, aprendi algumas coisas com revistas porno, que encontrava debaixo da cama dum tio meu quando ia lá de visita com os meus pais.

Anónimo disse...

Não acho que uma criança de 7 anos tenha maturidade suficiente para absorver esta mensagem como uma coisa normal nos adultos e não nas crianças.

Hugo disse...

Boa noite. Não sou pai mas acho que tal filme ja devia passar nas nossas escolas. Pelo menos nas supostas aulas de educação sexual. Acho que o país tem de perder a vergonha e perceber que é melhor prevenir que remediar. Se as crianças perceberem não vão "experimentar" as cegas.

Hugo Gonçalves

Lucia Pinto disse...

A iniciativa é só de louvar, e o filme é óptimo. E mesmo se tivesse defeitos, que não encontro, é de louvar a iniciativa de o passar na tv2. O deserto em termos de educação sexual é assustador!
Só me aborrece porque me cheira em alguns comentadores "teias de aranha" católicas mal esclarecidas e que ainda fazem demasiada pressão para que não se faça educação sexual como deve ser hoje em dia. Todos sabemos que a sexualidade é um assunto mal resolvido entre os católicos, e a posição destes não ajuda nada os pais! e eu falo, note-se, como católica convicta e apaixonada pela minha fé mas ao mesmo tempo triste por esta abordagem antiquada e obscurantista de um tema tão natural e importante para o ser humano!

Rita disse...

Boa Noite, para além de achar este filme muito adequado, sendo sério porém descontraido, acho muito importante este debate antes de se mostrar o filme às crianças. Como vimos a sexualidade ainda choca a muita gente. Mas acho que, sem dúvida, este filme é muito bom. Parabéns à 2:

meditador disse...

Acho que como pais e educadores temos a obrigação em educar as nossas crianças de forma sensata e motivante (antes que outros o façam de forma "errada").
Este filme é uma abordagem bastante interessante que vale a pena mostrar ensinar.

Joana disse...

Lemos alguns comentários e ficamos com a sensação que a Dinamarca e o Canadá (países onde o filme foi há muito feito e divulgado) devem ser países horríveis. Na verdade têm ambos muito menos gravidezes na adolescência do que Portugal, uma muito menor taxa de infecção pelo HIV, e taxas de felicidade muitíssimo mais altas entre os seus cidadãos.

Acho piada quando algumas pessoas falam em "crueza" e na necessidade de uma "educação para os valores", quando na verdade defendem apenas o obscurantismo e a ignorância. É aos pais precisamente que cabe darem valores mais conservadores ou mais liberais aos seus filhos. À escola cabe o papel de informador isento, precisamente informação factual, nua e crua. O que as crianças vão fazer com essa informação depende dos valores que lhes são incutidos, ou não, em casa. Mas a informação é uma ferramenta essencial!

Joana Santos - Santo Tirso

Ernesto Correia disse...

Utilizo este video desde há vários anos em escolas do 1º e 2º ciclos!: no trabalho com professores, com pais e com as próprias crianças. Recomendo vivamente, pelo conteúdo, pelo tipo de abordagem e, fundamentalmente, pelo tipo de diálogos e esclarecimentos complementares que permite apoós a sua visualização.
Ernesto Correia, médico

Anónimo disse...

Boa Noite Fernanda Freitas:

É incrível como há pessoas obscurantistas como a Dra. Neto que até chegam a Vêr "Feridas"????!!!!
Deve despir-se de Peconceitos de Moral Católico-Cristã!!!
Chegou a altura de educar e não concordo com os Cortes Transmitidos nos filmes apresentados nas Escolas.
Os meus Parabéns ao Dr. Daniel Sampaio pelas suas ideias claras e coerentes.
Por fim, é possível vêr o Filme na Net ou no Youtube?

Cumprimentos

Diana disse...

Aos 8 anos tinha uma amiga 1 ano mais nova que eu, e que via os filmes pornográficos que o irmão mais velho tinha no quarto. Andava numa escola diferente da dela e o assunto era abordado banalmente entre miúdos que tinham no máximo 9 anos! Este filme é óptimo porque esclarece tudo sem tabus, o "pénis duro" ou "a vagina molhada" é somente um passo para a abolição de tabus no tema da sexualidade. Com tantas crianças neste país e com tantos perigos que cada vez mais há para os nossos filhos, este filme deve sim ser mostrado às crianças.

O meu irmão na década de 80 ficava acordado até tarde com 9 anos, à espera que desse filmes pornográficos da televisão. Se os pais não querem mostrar este filmes aos próprios filhos porque pensam que é demasiado cedo ou são muito pudicos para o aceitar, então é porque não conhecem como é a curiosidade das crianças, se ela tem curiosidade num assunto e os pais não lhes explicam, vão procurar saber por outros lados, alguns bastantes pior.

Diana

buno marques disse...

acho o filme melhor para os pais do que para os filhos.
pois ele ajuda, ensina, na forma de falar com os filhos. mesmo que os pais não aprovem o visionamento do filme, pelo menos aprendam a falar com os filhos e melhor do que isso aprendem a ouvir os filhos e não pensem neles como ignorantes...

lneves disse...

sendo professora do 2o ciclo e sabendo que a maioria dos meus alunos viu todos os filmes da saga "american pie" nao me parece chocante que este seja um bom final de dia da crianca. parabéns pela iniciativa

Paulo Varela disse...

Sendo médico e liberal acho degradante que o colega Sampaio esteja tão agressivo em relação à colega psiquiatra, que até já foi sua aluna... um flirt freudiano? Em relação ao filme acho muito bom, mas respeito as reticências dos outros... chama-se a isto respeito pelas diferenças dos outros, professor

isabel disse...

As crianças já sabem muito de sexo e trocas de parceiros, porque vêm todos os dias cenas dessas nas novelas. A questão prende-se com explicitar e clarificar ideias e o filme consegue isso.

Anónimo disse...

Os Srs intelectuais da sexualidade querem impor os seus estilos de vida aos nossos filhos!

Anónimo disse...

No que diz respeito ao abuso sexual a mensagem está muito confusa

Anónimo disse...

Olá.
É obvio que a sexualidade é um assunto importante e essencial para as crianças, de modo que estas consigam crescer com bons valores sobre isso. No entanto, acho desnecessáro mostrar, por exemplo, as posições.
As crianças têm uma diferente visão do mundo e gostam de brincar ao faz de conta.
Onde fica a inocencia? Informação sim, mas respeitando a infância porque cada vez mais se tenta fazer as crianças crescer mais rápido, tal como faze-mos como tomates e cebolas para lucro proprio, mas que no final se revelaram poluidores...

Onde fica a inoncencia?

Ana Isabel

Rita Barros disse...

A educação sexual é um direito das crianças e um dever dos pais e do Estado. Como tal a RTP cumpre o seu papel de fazer serviço público.

Textículos disse...

Penso que falta ao programa, a opinião das próprias crianças. Acho que seria uma boa ideia. Ainda assim aplaudo a iniciativa.

Anónimo disse...

A sexualidade é de natureza traumática, indomesticável, irruptível. Isto não está na cebeça de A ou B, está no inconsciente de cada um. Pode haver formas mais ou menos felizes de abordar a sexualidade, e por isso que faz sentido discutir as formas mais adequadas de a abordar.

Patricia disse...

Será que alguem me poderia explicar porque é que um filme pedagógico, criado com uma finalidade muito especifica não pode ser mostrado às crianças, quando todos os dias a todas as horas, todas as crianças são confrontadas com anuncios televisivos e não só, com um cariz sexual bastante evidente. será que sem explicação de ninguem pecebem melhor o que vêm?

V. disse...

Não me considero, de forma alguma, uma pessoa conservadora e, muito menos, moralista. Sempre achei que abordar o tema da sexualidade com o recurso a metáforas envolvendo cegonhas, compras em Paris ou achados no meio de couves é desinformar, é deseducar e em nada contribui para uma vivência saudável da sexualidade. No entanto, parece-me que, sendo direccionado a crianças entre os 7 e 11 anos, este filme entra em detalhes dispensáveis. Saúdo o tom descontraído e alegre, mas não vejo que algum eufemismo o fosse tornar menos educativo. Repito: tendo em conta o público a que se dirige. Que me digam que eles têm acesso a todo o tipo de informação através de todo o tipo de meios, parece-me facto incontestável. Mas questiono-me até que ponto as crianças não deixam de o ser cada vez mais cedo. Pelo menos no que a certos domínios concerne.

JOAQ disse...

Curioso, tenho dois filhos um de 4 e uma de 8 e ontem estivemos a falar sobre a menstruação. Sem duvida amanhã cá em casa vamos todos ver o filme!

mariana disse...

concordo. acho mais perigoso os miudos verem os morangos ou esse tipo de séries onde a sexualidade é exposta de forma desadequada para a sua idade do que verem este filme.

não tenho filhos - espero poder ter muitos =)!! - mas quando os tiver quero explicar-lhes assim. que nasceram porque o pai e a mãe se amavam e amam muito, que decidiram fazer amor - aí remeto para o filme... - e que foi da sementinha do pai com a da mãe que eles se formaram.
sem medo, sem vergonhas. porque se soubermos o que são as coisas, não temos medo delas.

Pedro disse...

Claro que este filme deve passar!!! Mas os pais devem estar presentes!!! Falem com os vossos filhos não os afastem!!!

Roberto disse...

Acerca das falhas científicas, o filme tem de facto uma que é notória: não é o óvulo que sai, durante a menstruação, mas sim o revestimento interno do útero ao preparar-se para a eventual recepção do óvulo. Este último, não sendo fecundado é reabsorvido pelo organismo.

Apesar disso, o filme é valioso, como uma primeira abordagem ao tema da sexualidade, para crianças, no âmbito da televisão pública. É um interessante e importante contraponto a toda a restante (des)informação que a televisão presta sobre o assunto. Espero que a televisão, pública ou não, não se fique por aqui, pois é do cruzamento de informações várias que poderá nascer uma atitude esclarecida e descomplexada sobre o tema.

Cláudio disse...

Eu acho que é extremamente importante este tipo de informação. Uma vez que muitas crianças são muitas vezes os "professores sexuais" umas das outras, o que leva a comentários do género "A primeira vez não engravida!" e tal como vi num documentário sobre países da América Latina, "Se passarmos pasta de dentes nos orgãos sexuais não engravidamos" Penso que, crianças mal informadas leva a resultados muitas vezes desastrosos.

Anónimo disse...

A ed. sexual deve ser vista numa perspectiva pluralista, e não como modelo único, atendendo a que oS cidadãos portugueses não pode3m ser sujeitos a uma ideologia unilateralmente imposta por auto proclamados sábios.
O direito ao livre desenvolvimento da personalidade implica a livre circulação das ideias e igual consideração e respeito por valores diversos e diferentes formas de abordar a afectividade nestas idades específicas.
João Botelho

Luis Mira disse...

Eu tenho 12 anos e as pessoas que eu vi fazer amor eram adultos. Afinal quando é que nós começamos a fazer?
Peço uma resposta por favor.

Anónimo disse...

Com os 21 anos que tenho até à data nunca nenhum dos meus pais falou comigo acerca de sexualidade nem nada que envolva o tema. Aliás nem a mim nem a nenhum dos meus amigos os pais deles lhe falaram sobre isso.... E com esta idade só sei mesmo o que os meus amigos sabem e que às vezes sabem tanto ou menos que eu...

ap silvestre disse...

Parabéns à RTP pelo excelente serviço que está a prestar para apoiar a educação sexual no nosso país que tanta falta nos faz, pela metodologia utilizada e pelo promoção do debate. Estou de acordo com a Dra Margarida, algumas cenas também as senti como "cruas", talvez demasiado explicitas, mas depois comparando a informação que eu tinha na minha infância com aquela que têm as crianças agora já relativizei essa crueza.

PS:Só achei insuportável no debate a arrogância do dr Daniel Sampaio com quem tem opiniões diferentes, o jogo de poder com expressões como "já foi minha aluna" ou " convido-a para trabalhar comigo" só revelam manipulação sobre o outro, inferiorização do outro pela sua posição enão pelas suas ideias. Vergonhoso!!

Rute Borges disse...

Será possível passarem novamente????
por favor!
Não consegui ver e queria saber como é, visto ter filhos pequenos e gostava de lhes mostrar ou não!
Obrigada
rute

Nayol disse...

É de louvar e agradecer a possibilidade de escolha que a RTP2 oferece hoje ao seu público.
Toda a informação que o filme disponibiliza é pertinente e necessária para o desenvolvimento de crianças com uma mentalidade saudavel. Mas de facto algumas imagens são cruas de mais dificeis de se perceber em tão tenra idade. E são ainda muitas informações em tão pouco tempo. Pode-se tornar um pouco confuso.
Se calhar seria importante falar de tudo, mais vezes, com menos conteúdos de cada vez. Isso permitiria também aprofundar mais um pouco cada tema.

Anónimo disse...

Caro Professor Daniel sampaio
A profunda hipocrisia de uma pretensa inteligentia dominante é reveladorada insegurança de uma geração que passou os últimos 30 anos a dizer " Quem sou eu para decidir"
A agressividade com que se dirige aos otros que não se assemelham a si é a mostra da insegurança. A Família TEM QUE SER OUVIDA! Sim . mesmo aquelas que o Srs não respeitam!
Bom Trabalho!
Rita Tormenta Clara

Anónimo disse...

Bravo!

Anónimo disse...

Sou professor de Ciências e este ano, no 9º ano, com alunos de 15/16 anos, foi uma batalha que travei ao tentar desmistificar as ideias que ainda resistem nas ideias dos nossos alunos por exemplo: pensarem que o pénis do homem aumenta consoante a idade... ideia de uma aluna que afirma ter um fascínio por homens mais velhos por essa razão. É obrigatório abordar estes temas cada vez mais cedo...

Anónimo disse...

Sou professor. Costumo tratar os meus antigos alunos com cortesia, mesmo quando discordo deles.

Anónimo disse...

A propósito dos erros científicos, até às 8 semanas (inclusive) designa-se por embrião, a partir das 9 semanas designa-se feto.

Fernando e Paula Gomes disse...

Parabéns RTP2. Ora aqui está um belo exemplo de serviço púbico.
Quanto ao filme, e no que refere à relação sexual e função reprodutora acho que está de acordo com a faixa etária em questão. Quanto ao abuso sexual, o filme toca-o muito ao de leve e bem. Amanhã cá estaremos junto da nossa filha de 9 anos, para esclarecer o que for necessário, sem exceder a sua capacidade de retenção de informação, que como disse o Dr. Daniel Sampaio seria contraproducente.

Anónimo disse...

Que pena que as pessoas tenham que aprender a ter prazer sexual através de desenhos animados e que não seja fruto de uma aprendizagem do amor. Ao que chega a necessidade de ter prazer...
Rita R.

Anónimo disse...

Não tenho problemas em ver passar este filme na televisão. Vivemos num tempo em que guerras, pornografia e tantos outros exageros são a regra nas nossas televisões. Porque não isto, então?!

O que me choca, sim, é a obrigatoriedade da Ed. Sexual nas escolas. Os pais devem ser livres de escolher um modelo de educação para os filhos a este nível, não competindo ao Estado essa programação. Isto compara-se à imposição da Moral Cristã nas escolas no Estado Novo.

Não pode ser. Assim como tenho o direito de desligar a televisão quando der este programa, quero ter o direito de decidir se os meus filhos vão ou não a estas aulas. Eu sei como e quando devo abordar este tema em casa.

Carlos Carreira

Anónimo disse...

Olá.
É obvio que a sexualidade é um assunto importante e essencial para as crianças, de modo que estas consigam crescer com bons valores sobre isso. No entanto, acho desnecessáro mostrar, por exemplo, as posições.
As crianças têm uma diferente visão do mundo e gostam de brincar ao faz de conta.
Onde fica a inocência? Informação sim, mas respeitando a infância porque cada vez mais se tenta fazer as crianças crescer mais rápido, tal como fazemos com tomates e cebolas para lucro proprio, mas que no final se revelaram poluidores...

Onde fica a inoncência?

Ana Isabel

Ana disse...

A Drâ.Margarida Neto, parece estar a comentar o acesso a uma roupa de marca.
Porque é que os filhos dela já puderam ver o filme e os filhos do Portugueses não podem ou não devem?
Por falta de inteligência ou de direito?
Partindo do princípio que os filhos da referida srª.Drª. não são ainda adultos.
Nem todas as crianças têm oportunidade de ter em casa médicos ou pessos com formação superior que lhes consigam transmitir de uma forma adequada e no dia a dia uma educação sexula desejável.
Parabéns ao programa.
Ana
Um abraço Drª.Fernanda

profciencias disse...

A propósito do filme ...

Definição dada por uma rapariga de 11 anos, sobre a adolescência, no início do trabalho centrado na Educação Sexual:
" É uma coisa nova e estranha para uma rapariga ou para um rapaz; parece que somos outra pessoa; temos muito dúvidas e queremos ter respostas; é uma fase da nossa vida que é muito complicada porque estamos estranhos e fazemos coisas que não queremos e não devemos. Por vezes deixamo-nos levar pelas asneiras dos outros...
Não sabemos como nos defender.
Não sabemos o que se está a passar no nosso corpo"

Se já tivessem falado sobre estas questões estariam com certeza mais informados e prevenidos.
Corriam menos riscos!

Prof de Ciências
TB

Nuno Tina disse...

!! MUITO BOM !!!

Louvo o vosso esforço, em colocar a nu algumas fragilidades da nossa "sociedade civil", levantando a questão da educação sexual das crianças e promovendo este debate.
Em primeiro lugar, gostava de relembrar, que todas as pessoas, que se sentiram de algum modo incomodadas, têm sempre a possibilidade de mudar de canal e pronto.
O filme aborda na minha optica, a questão de uma forma correcta e completa do ponto de vista da biologia envolvida, o que é por si só uma mais valia, mas consegue ser muito mais abrangente e introduzir, muitos conceitos úteis para o desenvolvimento saudavel das crianças.
Acho tambem que, ao longo das varias idades das crianças que poderão ver o filme as leituras que elas retirarão, serão diferentes, e penso que complementares, conduzindo a uma melhor percepção da sexualidade, com reflexos pela vida adulta.

É portanto a minha opinião, que este tipo filme e outros que venham a ser exibidos,que tenham a mesma qualidade, so podem ajudar as crianças no seu desenvolvimento.

Nota: os pais que estiverem chocados não se admirem, se algum dia os vossos filhos virem o filme atraves , por exemplo do youtube, ou outro meio de comunicação qualquer, mas sem a companhia dos pais...

Anónimo disse...

Luis Mira
De facto só quando somos adultos é que devemos começar a ter relações sexuais. Porque o nosso corpo é o que de mais importante temos, logo a seguir À nossa alma/inteligência, e a sexualidad eé uma coisa muito íntima, muito nosa, que não queremos andar aí a dar aos outros só porque "é bom, sabe bem"...
Quando tiveres uns 18 anos e te apaixonares por uma rapariga, de facto, sem ser uma paixoneta... aí vais saber... :)
De uma amiga:)

Anónimo disse...

Gostaria apenas de dar os parabéns à RTP 2 pela iniciativa, e pelo filme escolhido. Eu votei sim à despenalização ao aborto pelo facto de achar que a educação sexual é o único meio que pode fazer frente ao aborto. Tenho pena é que esta iniciativa seja filha-única, e que não tenha chegado mais cedo. Tenho medo de me vir a arrepender da escolha que fiz...
Por último, uma sugestão: criem duas faixas etárias diferentes para público-alvo - dos 8 aos 12; e dos 30 em diante. Há pais que precisam urgentemente de ver este tipo de filmes. Não devia ser necessário ter de ser a tv pública a educar os nossos filhos... Mas ainda assim louvo a 100% a iniciativa.

Abraço...

Nuno F.

Anónimo disse...

Educação sexual nas escolas não é efectuada. Na escola secundária com 3º ciclo josefa de óbidos em Lisboa apesar de vários pedidos dos pais nada acontece. Apenas a presença durante uma manhã de uma marca de pensos higiénicos.

Tiago disse...

Este filme agressivo? Porquê esta associação automática entre sexo e agressão?

Por acaso já viram uma grande parte de desenhos animados infantis? A quantidade de agressão que existe?

Anónimo disse...

A responsabilidade é dos pais e não do estado das escolas

Anónimo disse...

As vezes vejo alguns filmes onde há crianças ocupando papéis principais ou secundários, onde em algum moento do filme há uma cena de sexo entre seus pais ou terceiros. Muitas vezes, quando vejo filmes com esta característica eu penso comigo: Quando a criança que participou do filme vê o produto final o que ela pensa? Será que ela presenciou as filmagens das cenas de sexo (ainda que encobertas) ou não permitiram que ela presencia-se estas cenas? Pensem...

Miguel disse...

O puritanismo ainda vive em Portugal. O sexo é um prazer e é esta a ideia que deve ser veiculada pelos pais. O filme é rico em sensibilidade e bom senso.

Francisca disse...

Os psiquiatras em estudio deviam deixar os problemas pessoais lá fora...

isa disse...

Acham que são horas para focarem este tema de grande importância para as famílias?
Realmente estamos num país onde só se safam os "favorecidos" pois os outros já estão a dormir para amanhã se levantarem às 6, 7 ou 8 horas para irem ganhar dinheiro para ...
Realmente... até a televisão presta serviços do 1ª para uns e de 2º para outros.

Anónimo disse...

O filme é importante e deve ser mostrado ao público português, pelas razões já mencionadas no programa. Além de educar sobre a reprodução, aborda muito bem a questão do abuso sexual na família, ainda não reconhecida pela sociedade. Causa espanto a médica Margarida Neto ignorar a existência deste problema.
Parabéns RTP por lançar esta discussão!

Marta Ramos disse...

e repito:
Para as idades 7-11 anos mostram-se Tom Sawyers e Mulherzinhas. Não precisam de ver nem os 'morangos' nem de programas como estes para remediar os conhecimentos que obtém por aí.
RTP, não quer ir buscar esses desenhos animados aos vossos arquivos? de certeza que teria audiências.

Ana Paula disse...

Apesar das diferenças de opinião,convenhamos que a maioria das crianças gosta de música e dos seus videoclips e decididamente há videoclips bem mais explicitos que este pequeno filme.

Anónimo disse...

Ha' que relembrar, que os paises onde o movimento puritano ainda e' dominante (por exemplo, os Estados Unidos), a pornografia e a "obcecao" com o sexo sao igualmente comuns.

Isto deriva da falta de informacao, o que leva a um desenvolvimento sexual aberrante. Curiosamente tambem, os paises anglo-saxonicos (puritanos novamente) apresentam tambem as maiores taxas de gravidez na adolescencia.

Anónimo disse...

Que paternalista Drª Daniel Sampaio
Cada vez se assemelha mais a Freud. Um eterno neurótico...
Rita R.

Eduarda disse...

Constrangedor e irritante a postura do Dr. Daniel Sampaio perante a Dra. Margarida Neto. Acaso pensa que por ter sido sua aluna, desqualifica ou diminiu a importância dos seus ( Dra. Margarida) comentários relativamente aos seus( do Dr. Sampaio)?

Ângela disse...

Acho que o filme está muito bem feito, mas pôr uma criança a ver o filme, que tem uma grande quantidade de informação, "estraga" aquele efeito referido pelo Dr. Daniel Sampaio, de ir de encontro a uma determinada questão da criança. Tem informação que pode ser em demasia para determinada idade dentro do nível etário dos 7 aos 11.

Anónimo disse...

Boa noite,

em 1º lugar não me parece correcto misturar duas questões tão importantes como sexualidade e abuso sexual.

para além disso, considero que para transmitir às crianças que o acto sexual deve ser um acto de prazer e de amor seja necessário mostrar várias posições ou certo tipo de linguagem!!

por fim,penso que há uma diferênça entre dar toda a informação e dar informação a mais para certas idades.
MRocha

Anónimo disse...

Apesar de estar interessada neste debate, pois tenho 4 filhos, vou mudar de canal pois sinto um certo mal estar.Só falta o Dr. Daniel Sampaio chamar atrasada mental
à Dra. Margarida e a quem concorda com ela. Como me encontro entre estes
não estou para ser insultada na Televisão.
Fernanda Lopes

Anónimo disse...

Na minha opiniao o filme é adequado às crianças.
Parece-me que os adultos tendem a elaborar demasiado a informaçao, quando na verdade, é na simplicidade das coisas que está a clareza necessaria para a criança compreender a informaçao.
Não me parece que o filme seja cruel ou excessivo. A eficacia da educaçao sexual dependerá do significado que os adultos atribuem às mensagens transmitidas e,ainda da forma como eles a irao interpretar e transmitir.
Caso tenham duvidas, esclareçam-nas e depois falem com as crianças abertamente.

Branca Costa disse...

O Dr. Daniel Sampaio acabou por estragar o programa. Está de uma arrogância insuportável!

Anónimo disse...

O que acho gritante é que este programa pretende ajudar os pais para decidirem se visionam o filme ou não com as crianças e depois impôem o programa às 8 da noite na RTP2 juntamente com o RUCA!!!.
Que passem o programa todos os dias à noite mas não para as crianças. Os pais que quiserem ver o filme com as crianças podem sempre gravar e revê-lo!

Catarina disse...

Penso, muito sinceramente, que esta linguagem considerada crua em muitos destes comentários é realmente esclarecedora e fácil de entender para uma criança de cinco ou sete anos. Um "pénis duro" é a descrição que uma criança quer ouvir para ficar elucidada sobre o assunto. As cinco ou seis posições sexuais acompanhadas de gemidos esclarecem a criança sobre o que provavelmente já ouviu dos pais ou nos filmes.
A "maldade", "pornografia", "vulgaridade" associadas a estas imagens são conceitos que os adultos relacionam e não uma criança de seis anos com dúvidas válidas sobre o assunto.

Catarina, 22 anos

José Fajardo disse...

Só um aparte, o professor Sampaio começou muito bem e de repende passou simplesmente a atacar a Sra Margarida neto que tinha uma opinião diferente da dele, onde está a liberdade de expressão para o professor Sampaio? Quero apenas acrescentar que sou professor de Biologia, já conhecia o filme (tenho-o) e concordo plenamente em o mostrar a miudos dentro da faixa etária para o qual foi feito (e mesmo para mais velhos), mas toda a gente tem direito à sua opinião, sem ataques!!...

Inês Hugon disse...

A ideia de que existem aspectos da vida sexual que são excessivamente «crus» ou «perversos» para serem transmitidos abertamente às crianças e jovens não será bastante reveladora de uma mentalidade ainda muito repressiva sobre a prática do sexo? Creio que isto está na origem de a sexualidade juvenil (e até adulta) ser muitas vezes vivida com sentimentos de culpa, de «pecado», de falta de naturalidade. E assim se torna difícil encarar com normalidade (e prazer) a prática mais natural do mundo. Que acham?

Cosme Damião disse...

"Laisse faire laisse passé"

Anónimo disse...

Bravo!
Este filme teria dado bastante jeito quando à 3 anos desenvolvi com uma turma de 4ºano este tema.
De facto as dúvidas eram as mesmas, as reacções as mesmas, isto é, é disto(com devido acompanhamento) que as crianças precisam.
Eles conhecem o sexo pela vertente mais grosseira...T.V. , filmes, novelas, e outros mais graves.
O sexo associado ao amor está perfeito para eles perceberem.
O grande problema está nos adultos que continuam a ter vergonha de falar deste assunto.
Triste é chegar à adolescência a parecer a mestruação e não perceber de onde vem!
Falem e ajudem as cabecinhas destes futuros adultos a encarar isto como a coisa mais natural.
Não se esqueçam ainda que a Natureza foi astuta o sificiente para que o acto sexual fosse uma coisa que desse prazer.

Luis Rocha e Mello disse...

1. É pena que nos dias de hoje não se possa ter uma opinião diferente daquilo que é entendido como o correcto - o Sr. Dr. Daniel Sampaio espelha o que é a prepotência e até falta de educação perante a liberdade de quem pensa de forma diferente;
2. O filme é claramente ofensivo e excessivo - a educação sexual necessita de muito mais amor e sensibilidade. O que temos no filme é sexo cru que convida â confusão e irresponsabilidade.

Anónimo disse...

Boa Marta Ramos
Rita R.

carlos disse...

concordo plenamente com todos os assuntos focados no filme. o problema é que o filme, enquanto filme de animação é um mau produto, pouco imaginativo, com desenhos pouco cativantes, portanto mau artísticamente. o problema não são as ideias, mas a forma triste como são rxpostas

Anónimo disse...

Não se podem esquecer que muitas crianças vão assistir a este filme sózinhas e não captaram a mensagem pretendida.

Anónimo disse...

Prof. Daniel
concordo consigo
o problema não é a ingenuidade das crianças
é a "cegueira" selectiva dos adultos


gostava que esta informação fosse passa ao Prof Daniel Sampaio
Filipe Nave

Anónimo disse...

Boa Noite, tenho que manifestar a minha solidariedade para com a opinião da Drª Margarida Neto, pois não é a mensagem que está em causa mas a forma como é apresentada. Se anexarmos as imagens a um tema vulgar para as crianças como os desenhos animados temos que ter cuidado com a forma como o fazemos, claro que todas as crianças que assistem a uma telenovela hoje em dia já viu imagens de natureza sexual, ms nunca viram o Homem Aranha a fazer amor com a Cinderela ou a Barbie com o Ken em várias posições bem explicitas.
Obrigado.

Anónimo disse...

O pisiquiatra falou que não acredita que em pleno sec XXI não acredita que as pessoas tenham um tipo de pensamento repressivo neste sentido, mas lembremo-nos que em pleno sec XXI, muitos adolescentes morrem de doenças por causa de que? De sexo praticado sem responsabilidade! Quando não uma gravidez indesejada e aborto à borla. Então, consciência perturbada, arrependimento e outras feridas na alma...

Sérgio Cunha disse...

Chamo-me Sérgio Cunha, sou Psicólogo, na Área Clínica e trabalho, maioritariamente, com crianças e adolescentes.
Sinto-me no dever de participar.
O filme tem algumas mensagens simpáticas, embora demasiado coladas ao concreto:
- não é importante referir se são casados ou não, quando o importante a referir é o amor que une;
- não é mais importante referir a mecânica do sexo do que referir a metafísica das ligações.
Por estas razões, e por incluir um filme pornográfico em desenhos animados, considero o filme um tanto voyeurista / exibicionista. - Confunde a "coisa" com o "ser".
Quando se utiliza o termo pénis, seria mais "humano", ou próximo do afecto, utilizar o termo "pilinha", tendo a atenção de distinguir a pilinha do pai da dos meninos. - Obviamente, pela qualidade de gerar bebés, apoiando essa qualificação num ou outro dado concreto óbvio. - Pelo contrário, o filme fica algumas vezes pelo concreto. É pena.
A referência ao abuso de menores é um ponto marcante a favor. No entanto, o critério de distinção (entre o afago e o abuso) talvez não seja o melhor. É arriscado basear o critério numa base hedonista. - Se dá prazer, é bom. Se não dá prazer, é mau.
Se não formos puritanos, permitir-nos-emos perceber que as crianças têm prazer sexual. Aceitaremos então que uma criança possa ser enganada por um "adulto" que utiliza o prazer lúdico da criança para a perverter.
O critério deve ser, antes, o de distinguir as brincadeiras das crianças, e o carinho social (não intrusivo) de um adulto, da sexualidade íntima que os adultos vivem entre si.
O beijo lambuzado da mãe é um tanto ou quanto estranho.
A omnipresença do nu familiar pode ser muito politicamente correcta, tal como é traumatizante.
A ida para a cama dos pais, ficando entre eles, favorece a confusão de gerações.
No entanto, parece-me óptimo o apelo ao pedido de ajuda a um adulto de confiança, bem como a distinção entre uma brincadeira com violência e a submissão violenta a uma brincadeira de mau gosto.
No cômputo geral, prefiro ler contos de fadas, com muito amor, a expor uma criança a uma mensagem crua.

Anónimo disse...

Ha' que relembrar, que os paises onde o movimento puritano ainda e' dominante (por exemplo, os Estados Unidos), a pornografia e a "obcecao" com o sexo sao igualmente comuns.

Isto deriva da falta de informacao, o que leva a um desenvolvimento sexual aberrante. Curiosamente tambem, os paises anglo-saxonicos (puritanos novamente) apresentam tambem as maiores taxas de gravidez na adolescencia.

Anónimo disse...

Só pelos nº de comentários no BLOG, comprovam o interesse que este tema levanta na nossa sociedade.

Parabéns à RTP por esta interactividade…

E só é pena a tamanha interactividade entre os convidados do programa…

Anónimo disse...

Sugiro que os pais deixem as crianças ver o filme sozinhas enquanto se mantém aparentemente distraídos por perto. Ausência é abandono, mas imposição de presença é impeditivo da capacidade que as crianças têm de chegar a boas conclusões por si próprias. O filme é equilibrado e sensível, alguma crueza é sempre inevitável se queremos ser esclarecedores.

Anónimo disse...

Ha' que relembrar, que os paises onde o movimento puritano ainda e' dominante (por exemplo, os Estados Unidos), a pornografia e a "obcecao" com o sexo sao igualmente comuns.

Isto deriva da falta de informacao, o que leva a um desenvolvimento sexual aberrante. Curiosamente tambem, os paises anglo-saxonicos (puritanos novamente) apresentam tambem as maiores taxas de gravidez na adolescencia.

Anónimo disse...

Ainda não percebi:

Onde fica a inocência?

Ana Isabel, 17 anos

Anónimo disse...

Sobre o Filme «Então é assim»

O filme pode ser bom ou mau, mas o que me está a chocar é a atitude do Dr. Daniel Sampaio que não aceita outras opiniões que contradizem as suas. Quem é dono do saber e da verdade?
As atitudes explícitas podem chocar algumas crianças que apenas gostam de ser informadas sobre pontos concretos sobre os quais têm dúvidas.
Afinal com toda a liberdade que agora há nunca se viu tanta desorientação da parte dos jovens e até dos pais.

João Afonso disse...

acho que este tema deve ser abordado mais vezes. Não só para as crianças, como este filme exemplifica, bem como para todas as faixas etárias. O sexo e todos os temas a ele associados (métodos contraceptivos, por exemplo)continuam a ser tabu neste país. A educação sexual nas escolas continua a ser uma "miragem".
Parabéns pela iniciativa.

Anónimo disse...

Ha' que relembrar, que os paises onde o movimento puritano ainda e' dominante (por exemplo, os Estados Unidos), a pornografia e a "obcecao" com o sexo sao igualmente comuns.

Isto deriva da falta de informacao, o que leva a um desenvolvimento sexual aberrante. Curiosamente tambem, os paises anglo-saxonicos (puritanos novamente) apresentam tambem as maiores taxas de gravidez na adolescencia.

Anónimo disse...

Prof. Daniel
concordo consigo
o problema não é a ingenuidade das crianças
é a "cegueira" selectiva dos adultos


gostava que esta informação fosse passa ao Prof Daniel Sampaio
Filipe Nave

«O mais antigo ‹Mais antiga   1 – 200 de 467   Mais recente› Mais recente»